QUE HISTÓRIA É ESSA?

O capitulo XII do poema épico “Odisséia”, do poeta Homero, da Grécia antiga, narra que Ulisses, o herói da Guerra de Tróia, e seus homens, ao retornarem vitoriosos para casa, em Ítaca, teriam que navegar próximo à ilha de Capri, no mar Mediterrâneo, uma ilha rochosa, cheia de sereias.

Ulisses sabia que as sereias tinham poder de encanto sobre os homens, e, seus marinheiros, encantados com o canto delas, iriam acabar jogando o navio contra as pedras, e todos morreriam.

A saída de Ulisses foi colocar uma cera nos ouvidos dos marinheiros enquanto passavam nos arredores da ilha.

Ulisses não colocou nenhuma tapagem no seus próprios ouvidos, mas pediu para ser amarrado ao mastro da embarcação, e deu ordens para que só fosse desamarrado quando tivessem concluído a passassem por aquela ilha.

O texto diz que enquanto passavam próximos à ilha, Ulisses ouviu as Sereias, e, encantado com o canto e a beleza delas, gritava desesperadamente para ser desamarrado, para ir ter com elas, mesmo sabendo que elas matavam todos homens que se aproximassem delas, mas os seus marinheiros não o ouviam, assim como também não ouviam os cantos das sereias que enfeitiçavam Ulisses.

Desse modo, Ulisses foi capaz de ouvir o “canto da sereia”, e sobreviver.

Lindo, não?