O deputado Dermilson Chagas (Podemos) informou que será um dos autores de ação na Comissão de Ética da casa legislativa pela quebra de decoro parlamentar da deputada Joana D’Arc (PL).

Na última quinta-feira (3), a deputada falou publicamente que os deputados teriam recebido propostas de R$ 200 mil para venderem seus votos na eleição para a presidência da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

A deputada fez as declarações durante sessão plenária em que Roberto Cidade (PV) foi eleito presidente.

O deputado Dermilson Chagas publicou a seguinte declaração em seu Facebook:

Como cidadã comum, a lei apenas garante o direito a Joana D’Arc de denunciar irregularidades que toma conhecimento. Ou seja, ela legalmente não seria obrigada a apresentar denúncia formal, nem provas, do crime que diz ter presenciado.

Porém, como deputada, investida das competências e atribuições de legítima representante da sociedade junto à Assembleia Legislativa, a agente pública Joana D’Arc tem a obrigação legal e principalmente moral de apresentar à Justiça do Amazonas, já, as provas que diz possuir do suborno oferecido de R$ 200 mil para cada deputado que votou em Roberto Cidade, para a presidência daquela Casa Legislativa.

A denúncia gravíssima já foi formalizada, alto e bom som, inequívoca, nos microfones da ALEAM, e agora apenas espera as providências legais que o caso exige.

E ainda que Joana não o faça formalmente, sob o manto da sua alegada imunidade parlamentar, ou impunidade, que não se presta para blindar caluniadores e difamadores, qualquer outra autoridade pública que já tenha tomado ciência do crime tem o dever de promover a sua imediata apuração.

Eu, Deputado Dermilson Chagas, antecipo que estarei cobrando as devidas ações junto ao Ministério Público e à Justiça do Amazonas.