Um adolescente indígena de 16 anos é o primeiro envolvido no rapto, estupro e morte de Ana Beatriz, a criança de apenas 5 anos que foi retirada de casa, na madrugada de segunda-feira em Barreirinha, enquanto dormia com a mãe. A informação foi confirmada pela polícia local, que conseguiu identificar o indígena após ele deixar uma camisa cair na casa da vítima. A criança saterê-mawé foi enterrada numa área de mata, e foi o próprio adolescente quem indicou o local onde estava o corpo.

O caso aconteceu na aldeia Nova Vida. O adolescente alega que estava drogado e bêbado  na hora do crime. Pelo menos mais um suspeito é procurado por participação no crime. A mãe da criança acordou de madrugada e sentiu falta da filha. As buscas iniciaram imediatamente, até que o adolescente foi identificado pela roupa deixada. Ana Beatriz foi encontrada por volta das 15 horas de segunda-feira.  A cidade está em choque com o crime. A menina tinha sinais de violência no pescoço, na boca e teve a vagina dilacerada. Ana Beatriz foi morta por asfixia.

A polícia está protegendo o adolescente, já que a população quer fazer justiça com as próprias mãos.  Desde que a notícia ganhou as redes  sociais nesta terça-feira muitos internautas revelam o tamanho do choque com tanta crueldade. “Meu Deus, onde esse mundo vai para?”. Outra internauta comentou que esse tipo de crime não tem perdão. “Deveria ter prisão perpétua no Brasil. No mínimo.” Pela Lei brasileira, o adolescente não poderá responder como alguém de maioridade.