Mesmo em meio à pandemia da Covid-19 e com todas as dificuldades do dia a dia, Denilson Souza Melo, 32, se compadeceu com a dor do próximo e decidiu ajudar o amigo Jorge Nogueira, 52, que sofre de problema renal crônico e trombose.

Denilson conta que ficou comovido com a situação do amigo, após descobrir que ele foi abandonado por seus familiares aqui em Manaus. “O Jorge é natural de Rondônia, não tem ninguém aqui na cidade. Doente, ele foi abandonado pelos familiares e tenta sobreviver apenas com uma aposentadoria”, disse.

Há dois meses, Jorge mora na rua Passo Real, bairro da Raiz, zona Sul, em um pequeno cômodo da casa de Denilson, que é casado e tem filhos. Com o dinheiro da aposentadoria, ele tenta se alimentar, se locomover até os hospitais para fazer hemodiálise, comprar remédios e ter algum conforto, o que praticamente é impossível na sua atual condição física.

“O Jorge tem apenas um lado do rim direito funcionando. Ele está com uma pedra no rim e está bem grande. Precisamos de ajuda, pois ele não tem mais onde se furar, esse cateter que ele precisa colocar é uma das últimas alternativas. Ele precisa de uma cirurgia urgente”, comentou.

A preocupação de Denilson com o amigo aumenta a cada dia, pois a vida de Jorge é praticamente uma corrida contra o tempo. Os médicos que atenderam Jorge, explicaram que ele precisa da cirurgia para desobstruir o canal urinário com urgência, pois o caso pode piorar e dentro de seis meses pode ser irreversível.

“Ele precisa dessa cirurgia porque o rim está quase parando. Com o que ele ganha, mal dá para comprar comida e remédio, que são muitos caros. O Jorge faz hemodiálise duas vezes na semana, no Hospital Getúlio Vargas, e vai com todas as dificuldades até a unidade de saúde, pois ele tem força de vontade para viver”, destacou.

Entre todas as dificuldades que passa, Jorge alega que não consegue marcar alguns exames na cidade, um deles é com um urologista, pois ele faz uso de um cateter em seu órgão genital e precisa cuidar do trato urinário que está com problemas.

“Eu tenho o encaminhamento urgente, pois tenho risco cirúrgico, se passar de seis meses, o médico me disse que posso morrer. Pois precisa colocar o tubo no canal urinário para abrir o canal, pois o abcesso da pedra está muito grande e eu não consigo urinar. Meu cálculo renal é crônico. Sinto muita dor, já nem consigo dormir. Preciso de toda ajuda possível”, desabafou.

Jorge precisa de ajuda com alimentos e medicamentos, mas o que ele mais gostaria de obter ajuda é na sua cirurgia. Quem puder ajudar Jorge pode ligar para o número:  98501-9918 (Denilson).