Um pedido de apoio à comunidade internacional, enviado pelo Governo do Amazonas no dia 25 de janeiro, gerou resultados positivos. O Estado recebeu, neste sábado (13), um total de 240 concentradores de oxigênio. Os equipamentos foram adquiridos com recursos da ONG americana Direct Relief, que doou U$ 530 mil (equivalente a cerca de R$ 2,8 milhões) para auxiliar o Amazonas no combate à Covid-19.

“Duplicamos a nossa estrutura e abrimos muitos leitos. Já estamos numa abertura de quase 200% a mais em relação ao que tínhamos, então, praticamente triplicamos a nossa rede. Neste sentido, toda a colaboração de doações e de parcerias que estão sendo feitas são importantes para que possamos continuar ampliando nossa estrutura, principalmente nesse momento em que há a escassez de alguns produtos no mercado internacional”, disse o governador Wilson Lima.

Sensibilizada com a situação do Amazonas, a ONG Direct Relief, sediada na Califórnia, aprovou o subsídio em tempo recorde. Além das doações deste sábado, está prevista a aquisição de mais concentradores e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para apoiar profissionais de saúde no combate à pandemia.

Os concentradores serão distribuídos para unidades de saúde do interior do Amazonas que atendem, sobretudo, moradores de Unidades de Conservação e comunidades tradicionais, indígenas e ribeirinhas, que residem no entorno. “A prioridade é atender o interior e evitar o impacto da segunda onda entre as comunidades mais vulneráveis”, destacou o secretário do Meio Ambiente e coordenador dos esforços, Eduardo Taveira.

A mobilização com a comunidade internacional contou com a ajuda da Força Tarefa dos Governadores para Clima e Florestas (GCFTF) e do presidente da Health Bridges International (HBI), Wayne Centrone. A Fundação Amazônia Sustentável (FAS) foi identificada pelos doadores para atuar como gestora dos recursos. A operação conta, ainda, com o apoio diplomático da Embaixada do Brasil em Washington e da Agência Brasileira de Cooperação (ABC). O transporte dos equipamentos para Manaus foi custeado pela Americanas.

Rede solidária de parceiros

Diante da carta aberta enviada à comunidade internacional, pelo Governo do Amazonas, a Diretora de Projetos do GCFTF, Colleen Lyons, recorreu a todos os seus contatos em busca de auxílio para o Estado. Inclusive aos seus pais: a dedicada enfermeira paroquial, Sheila Scanlan e o médico Edward Scanlan. Foram eles que fizeram a aproximação de Lyons com o presidente da Health Bridges International, Wayne Centrone.

A experiência positiva da Health Bridges International com concentradores de oxigênio para atender pacientes com Covid-19 no Peru serviu como base da mobilização para o Brasil. Centrone foi o responsável por conectar o GCFTF e a equipe do Amazonas à Direct Relief.

Os recursos doados pela Direct Relief recebidos pela FAS, seguirão os padrões de transparência da instituição, incluindoartilhados. Estamos empenhados em ajudar o GCTF, o Governo do Amazonas e a Direct Relief de qualquer maneira que  auditoria independente da PwC. “Essa doação é extremamente importante uma vez que os concentradores de oxigênio poderão ser usados em diferentes locais do interior do Amazonas, que hoje sofrem de uma maneira dolorosa com a falta desse tipo de equipamento. Nós registramos aqui a imensa gratidão aos doadores e aos parceiros deste projeto”, declarou Virgílio Viana, superintendente geral da FAS.