O Governo do Amazonas já antecipou o planejamento de ajuda humanitária para 19 municípios. A quantidade, definida com base no histórico do fenômeno natural nos últimos dez anos, pode ser maior, conforme a evolução da subida do nível do leito dos rios.
A informação foi repassada pelo Secretário Executivo da Defesa Civil do Estado, Coronel Francisco Ferreira Máximo, aos deputados estaduais nesta quinta-feira (04), em sessão de tempo proposta pelo deputado Sinésio Campos. Na exposição, realizada no plenário da Assembleia Legislativa (ALE-AM), o Coronel Máximo destacou ainda os municípios que já estão sendo atendidos, nas calhas dos rios Purus e Juruá.
Segundo ele, os 19 municípios com maior potencial de serem afetados na cheia de 2021, envolvem aproximadamente 130 mil pessoas, o equivalente a 23 mil famílias.
Para Boca do Acre, onde o governador esteve recentemente acompanhando o trabalho da Defesa Civil estadual, foram levados caminhões-pipa; 2 mil cestas básicas, correspondentes a 34 toneladas de alimentos; 1 mil galões de água mineral; 500 botijões de gás de cozinha, de 8 quilos cada.
Segundo o Secretário Executivo, no dia de hoje, a Defesa Civil está instalando estações móveis de tratamento de água em Boca do Acre e em Envira. São seis estações do tipo, três em cada um dos municípios citados pelo Coronel Máximo. Uma estação, explica ele, tem capacidade para produzir entre 70 mil e 90 mil metros cúbicos de água potável por dia.