Passou dos limites. O abuso e o desrespeito com a Lei das Filas são uma constante nas agências bancárias de Manaus. Não há raríssimas exceções, nem nos bancos oficiais, principalmente a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, onde clientes e demais usuários de serviços bancários da cidade de Manaus têm sofrido constantemente com o excessivo tempo de espera nas filas dos bancos, apesar da existência da lei municipal 167/05 que obriga as instituições bancárias a atender os clientes num prazo máximo de 15 minutos em dias normais, 20 minutos em vésperas de retornos de feriados e 25 minutos em dias de pagamento. Durante a pandemia do Covid 19, todas as agências da CEF deram provas de que estão se lixando para as autoridades. Filas e mais filas debaixo desse calor escaldante foram formadas em frente às fachadas de vidro das luxuosas agências.

O excesso de descaso foi seguido pelo Banco do Brasil, Santander, Bradesco e Itaú, onde os clientes são mau tratados nas agências bancárias da Cidade, fato que revoltou a todos. Nilce Rocha chegou às 5h na agência da CEF da Djalma Batista e as 8h recebeu a senha de número 709, com uma previsão de atendimento expresso. A previsão era de “apenas” 615 minutos, ou seja a eternidade de 10 horas e 15 minutos. Estressado com tamanho descaso, Nilce esperou na fila da agência que, segundo ele, “estava quente que só o inferno” por mais de três horas e vinte e oito minutos, sendo acompanhado em sua reclamação pela massa impaciente que também tinha mais o que fazer. Apenas um copo de água lhe foi ofertado pelos jovens que faziam trabalho humanitário de uma Igreja Evangélica.

Procon no ar-condicionado 

Como todo mundo está queimado pelo sol e suado de saber, os servidores autárquicos do Procon usam a quarentena e o home-office como justificativa para ficar nos gabinetes ou em casa mesmo. Mas a equipe de reportagem compareceu ao banco hoje pela manhã para averiguar a denúncia e ouvir a justificativa da instituição. Ninguém quis falar, apenas um estagiário com o jaleco “POSSO AJUDAR?”, mas não quis comentar o assunto. Ora, não se trata de palhaçada dos bancos que fazem com seus clientes necessitados em receber o Auxilio Emergencial, antes que os vagabundos e pilantras da Internet roubem seus benefícios. Não disposto a dar atenção aos nossos profissionais, os bancos deveriam providenciar a ampliação dos horários e datas para resolver o problema e não agravá-los, sob pena de estarem coniventes com os ladrões de contas que atuam na Internet.  Sem previsão de atendimento,  entregou um número da central de atendimento aos clientes do banco, através do qual poderiam ser atendidos por um dos receptivos e inúteis tele-operadores já muito conhecidos da população.

BANCOS ESTÃO ENTRE OS RECORDISTAS DE LUCROS E CAMPEÕES DE RECLAMAÇÕES 

Cumprindo sua obrigação legal, estabelecida no art. 44 do código de defesa do consumidor, o Procon/AM divulga periodicamente uma lista com o nome das empresas com maior número de reclamações de consumidores. Na lista os bancos figuram como recordistas regionais de reclamações de clientes, são eles: Banco Bradesco S/A,Itau Banco de Investimento S/A, Santander S/A e pasmem, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

Além das denúncias de infração à lei das filas os bancos também não cumprem integralmente a lei que beneficia idosos e deficientes, pois, segundo o diretor do Procon “A lei diz que o idoso e o deficiente devem ter atendimento preferencial, ponto” ou seja, o cumprimento da lei se faz pelo atendimento imediato do idoso em qualquer guichê e não com a existência de um caixa exclusivo onde apenas se forma outra fila, essa só de idosos. Além do idoso, deficientes, gestantes e deficientes a lei do atendimento preferencial contempla, também agora, os obesos que passaram a ter direito a atendimento preferencial e o Procon já avisa que vai fiscalizar com rigor o cumprimento da lei.