Com mais de 40 anos de atuação na área logística, a empresa Bertolini recebeu, em agenda dividida em dois dias, a comitiva da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) para apresentar iniciativas que vão além da atividade comum desenvolvida pela empresa, mas com foco, também, em um segmento que tem sido muito debatido diante das potencialidades regionais da Amazônia: a bioeconomia.

O presidente do grupo, Irani Bertolini, e o assistente da presidência, Fábio Gobeth, apresentaram ao superintendente Algacir Polsin e demais gestores da Suframa dados sobre a empresa e sobre o projeto para o beneficiamento de açaí em estrutura flutuante, que deve beneficiar diversas comunidades regionais, gerando oportunidades.

Um dos focos desse projeto é garantir a sustentabilidade da produção e, para isso, prevê o tratamento de resíduos industriais – tais como resíduos de biomassa e comuns -, bem como o tratamento de efluentes e a captação de água dos rios e transformação em água potável, dentre outras iniciativas. “Apesar do foco no açaí, as instalações industriais dessa estrutura flutuante também já vão estar preparadas para outros produtos regionais, como o cupuaçu, taperebá, camu-camu e o abacaxi, dentre tantos outros”, disse Gobeth.

O titular da Autarquia se disse bastante satisfeito com o projeto apresentado, em especial por tratar de uma ação com foco em bioeconomia, uma potencialidade regional, com impactos positivos para diversas comunidades locais, induzindo o desenvolvimento social da região. “Temos reforçado por onde passamos que um dos aspectos mais positivos do modelo Zona Franca de Manaus é esta extrafiscalidade, aquilo que poucos veem, mas que conhecemos de perto. Esse desenvolvimento socioeconômico possível apenas devido à ZFM, que dá condições para avanços em diversas frentes e que contribui, dentre tantos outros benefícios, para a preservação florestal”, disse, destacando a necessidade de espraiar essas informações para que o País e o mundo entendam a importância da Zona Franca de Manaus para toda a sociedade.

Soja

A segunda parte da agenda da Suframa junto à empresa contou com visita às instalações de transbordo de cargas da Bertolini à beira-rio. Na ocasião, os representantes da empresa demonstraram como é feita a coleta da soja cultivada em Roraima e transportada por caminhões para Manaus, onde abastecem balsas que comportam milhares de toneladas para seguirem pelas hidrovias até outras regiões do País, de onde são distribuídas para mercados nacionais e internacionais.