Em mais uma agenda institucional junto a empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM), a alta gestão da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) visitou as instalações fabris da Bridge, fabricante de produtos plásticos que tem ampliado sua estrutura industrial na Zona Franca de Manaus (ZFM) e tem, ainda, utilizado tecnologias exclusivas no País para aperfeiçoar sua produção e garantir qualidade e competitividade para atender ao mercado nacional e internacional.

Os dirigentes industriais Eduardo Pascarelli, Sérgio Coli e Maximiliano Almeida, dentre outros representantes da empresa, receberam os gestores da Suframa e do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) para apresentar o histórico da Bridge na região e as iniciativas da empresa, o que tem elevado o portfólio industrial e permitido o aperfeiçoamento na fabricação, por exemplo, dos filmes plásticos, carro-chefe da Bridge. “Produzimos filmes com resistência cada vez maior, com grau de elasticidade que minimiza riscos de rompimento e dá mais garantia aos compradores do nosso produto, em especial outras empresas que embalam suas produções para movimentações e deslocamentos de centros de distribuições para as prateleiras, por exemplo”, disse Coli.

Mas não somente a estrutura produtiva foi destacada pelos dirigentes industriais. A reforma completa da planta industrial da Bridge no Polo Industrial de Manaus – que adquiriu as instalações de uma antiga empresa no Distrito Industrial e transformou a área em um exemplo de infraestrutura e governança – impressionou a comitiva da Suframa. Em especial a preocupação social da Bridge, que ao ampliar sua atividade na Zona Franca de Manaus, promoveu a geração de empregos e renda e, neste sentido, propiciou uma série de capacitações aos novos colaboradores que elevaram os níveis educacionais e deram melhores condições socioeconômicas para seus empregados e familiares. “Entendemos que um colaborador motivado é mais que apenas um funcionário, é um parceiro da empresa. E projetos de capacitação preparam nossos colaboradores para serem melhores como seres humanos, não apenas como empregados. E isso, além de elevar os níveis de produtividade, gera melhores condições para nossos colaboradores, seus familiares e toda a comunidade”, afirmou Pascarelli.

“Esse é o maior bem que a Zona Franca de Manaus deixa para a sociedade, esse legado que muitos ainda não têm total conhecimento até mesmo por uma estratégia de comunicação que até hoje não conseguimos ser plenamente exitosos”, pontuou o superintendente da Suframa, Algacir Polsin. “Os ganhos socioeconômicos e ambientais do modelo de desenvolvimento regional são muito superiores àquilo que boa parcela da sociedade entende da Zona Franca de Manaus. Os diferenciais tributários aqui praticados elevaram os índices de desenvolvimento humano locais, geraram ganhos de infraestrutura, logísticos e muitos outros. Precisamos fazer sempre mais para que isso seja espraiado para muito além de Manaus. Esse é o nosso desafio e contamos com o apoio de todos para lograrmos sucesso”, finalizou.

Ainda durante a visita, foi discutida a viabilidade de realização de projetos em parceria entre a Bridge e o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) para que as atividades praticadas pela empresa na região possam ser integradas às capacidades do Centro, o que pode elevar níveis de produtividade, eficiência e fomentar o segmento de bioeconomia da região, em especial diante dos insumos regionais utilizados pela empresa e que beneficiam comunidades do interior do Amazonas.