O líder do segundo turno da corrida pela Prefeitura de Manaus, David Almeida (Avante), fez uma grande caminhada pelo Alvorada na tarde desta segunda-feira, onde recebeu apoio de eleitores, distribuiu abraços e apertos de mãos.  Almeida disse que o adversários Amazonino Mendes (Podemos) reuniu uma turma “formada por gângsters” e ressaltou que os marqueteiros de Amazonino, segundo colocado em todas as pesquisas, tentam, a todo custo, manchar sua honra por ele não ter aceitado, por três vezes, ser vice na chapa de Amazonino.

David Almeida também fez questão de ressaltar que o grupo político de Amazonino Mendes está desesperado, pois o povo finalmente acordou e não aceita mais mentiras, por essa razão estão intensificando a onda de fake news contra ele. “Não tenho o apoio de nenhuma das máquinas e quero ressaltar que sou umbilicalmente contra esses políticos, particularmente o Amazonino Mendes, porque ele já teve as maiores oportunidades para resolver os problemas da cidade, mas não o fez”, argumentou.

Para justificar a classificação de “gângster”, que é usada geralmente para definir um membro de uma quadrilha, gangue ou organização criminosa, David revelou que, na noite anterior à convenção partidária, recebeu uma ligação telefônica, durante a qual tentaram emplacar o vice de Amazonino – Wilker Barreto – na sua chapa e tirar Mendes do processo.

O episódio citado por David Almeida fez lembrar o caso de José Melo, que foi dormir certo de que seria o vice de Amazonino, mas na manhã da convenção, diante da família, acabou sendo surpreendido pela rasteira do seu mentor político, que achou melhor substituí-lo por Omar Aziz. “São pessoas sem escrúpulos, que atacam a honra de quem quer que atravesse o seu caminho, que se oponha aos seus métodos sujos de agir”, disse ele, lembrando estar sendo vítima de ataques constantes através de fake news usadas pelo grupo do seu adversário, na tentativa de confundir o eleitor.