Preocupado com o crescente número de novos casos de Covid-19 no município, o prefeito de Manaus, David Almeida , anunciou, durante entrevista à rádio Band News, nesta terça-feira, 5/1, que irá buscar a aquisição da vacina contra o novo coronavírus, para combater a pandemia . A pretensão é, além de aumentar a imunidade da população, garantir a vacina assim que for aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Estamos trabalhando para dar o medicamento, aumentar a imunidade da população, mas a nossa vontade maior é a aquisição das vacinas. Hoje à noite, tenho uma conversa com uma empresa privada, que tem a intenção de fazer a aquisição dessas vacinas assim que elas estiverem todas legalizadas e aprovadas na Anvisa”, revelou David Almeida.

Além disso, o prefeito de Manaus também tem programado uma nova reunião com representantes do Ministério da Saúde (MS) para alinhar as próximas medidas que serão tomadas para conter a pandemia.

“Estamos trabalhando para que possamos ser uma das primeiras cidades do Brasil a fazer a imunização. A Prefeitura de Manaus tem a expertise de fazer a campanha de vacinação, e já estamos fazendo planos para que tenhamos toda uma estrutura disponibilizada à população. Isso não é tão rápido assim, mas eu acredito que a cidade de Manaus, com as tratativas que estamos fazendo, tanto com o governo federal quanto com o estadual, além da iniciativa privada, possa dar esse passo”, afirmou o prefeito.

Testagem 

David Almeida  por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), uma testagem em massa na população, para que ocorra o aumento na eficiência dos atendimentos básicos de saúde.

“Nós temos 19 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) fixas e três unidades móveis, onde já estamos fazendo a testagem na população. Fiz contato com o Ministério da Saúde e vamos, ainda hoje, solicitar mais testes rápidos para ampliar a cobertura. Assim, podemos fazer o tratamento precoce, para que a doença não possa evoluir”, finalizou.

 David Almeida decreta situação de emergência em Manaus

Diante de um novo aumento dos casos de Covid-19 na capital amazonense, o prefeito David Almeida declarou “situação anormal”, caracterizada como emergencial, em Manaus pelo período de 180 dias. O Decreto nº 5.001, publicado no Diário Oficial do Município (DOM) desta segunda-feira, 4/1, autoriza, entre outras medidas, contratação temporária de pessoal, de serviços e aquisição de bens e materiais, para conter o avanço da pandemia.

Outros três decretos, em atenção à situação de emergência sanitária que a cidade vive em decorrência da pandemia do novo coronavírus, definem suspensão da autorização para eventos, proibição do corte das contas de água e esgoto e o estabelecimento do teletrabalho na administração municipal.

“Estamos adotando todas as medidas necessárias para contribuir decisivamente para o enfretamento da Covid-19, especialmente neste momento em que a cidade registra aumento de casos e, infelizmente, de mortes. Estamos preocupados com a população em geral, com aglomerações, com nossos servidores e com as pessoas mais carentes, que não podem ser penalizadas, ter as contas de água cortadas nesse momento tão difícil, em que muitos também perderam o emprego”, destacou o prefeito.

Conforme decreto de emergência, fica autorizada a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) a constituir grupo gestor da Sala de Situação de Vigilância em Saúde, para enfrentamento da situação causada pelo novo coronavírus, assim como caberá à pasta planejar e controlar medidas a serem adotadas, a partir de diretrizes do Ministério da Saúde (MS). A publicação prevê também a articulação com os governos federal e estadual para combater a emergência, bem como meios necessários para implantação do “Plano Operativo para a Pandemia do Coronavírus”.

O decreto considera nota técnica da Semsa e o cenário epidemiológico da pandemia de Covid-19, quando, em Manaus, apresentava mais de 80 mil casos confirmados e 3.361 mortes pela doença. Atualmente, a cidade já registra 83.440 infectados desde o início da pandemia, com 3.444 óbitos, de acordo com dados da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) do Estado.

Atividades essenciais

Dentre os decretos, o prefeito David Almeida estabeleceu o de n° 4.999, também no DOM desta segunda-feira, no qual determinou teletrabalho para os agentes públicos “no âmbito da Administração Pública Municipal até o dia 31 de março”.

Com isso, ficam suspensos os atendimentos presenciais, com exceção das atividades essenciais, que acontecem, preferencialmente, de 8h as 14h, obedecendo ao revezamento de servidores. Já os treinamentos, cursos e qualquer evento coletivo também estão impedidos de acontecer durante o período.

As secretarias consideradas de serviços essenciais e que se excetuam desse decreto são: Casa Militar; secretarias municipais de Saúde (Semsa); de Comunicação (Semcom); Limpeza Urbana (Semulsp); Infraestrutura (Seminf); da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc); da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas); do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana (IMMU) e da Fundação de Apoio ao Idoso Doutor Thomas (FDT).

Eventos

Pelo Decreto nº 5.000, fica suspensa, temporariamente, a concessão de licenças e autorizações municipais para realização de eventos em Manaus, até o dia 31 de janeiro. As documentações já emitidas por órgãos municipais serão revogadas.

Conta de água

Dentre as medidas estabelecidas pelo chefe do Executivo municipal, também está a proibição, até 31 de março, do corte dos serviços públicos de abastecimento de água e esgotamento sanitário da cidade de Manaus em decorrência de inadimplência. A medida, prevista no Decreto nº 5.002, é válida para os usuários cadastrados junto à concessionária Águas de Manaus que sejam inscritos na tarifa social.

Aos não beneficiários, ficam estabelecidas regras especiais para parcelamento e pagamento a serem definidos pela Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (Ageman).