O número de ocupantes nos centros socioeducativos do Amazonas diminuiu 25% em relação às taxas de ocupação das unidades no Estado, segundo dados da Vara de Execução de Medidas Socioeducativas da Comarca de Manaus.

 

De acordo com informações do Conselho Nacional do Ministério Público, o levantamento “Panorama da execução dos programas socioeducativos de internação e semiliberdade nos estados brasileiros”, realizado em 2018 e publicado em 2019, apontou que o Amazonas contava com 67% de ocupação de vagas para internação de adolescentes naquele ano. Atualmente, os centros possuem 50 internos, ou seja, menos de 25% das taxas de ocupação.

 

 

Para a secretária estadual de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Mirtes Salles, o atendimento por meio da equipe multidisciplinar com os adolescentes, a família e a comunidade, bem como a oferta de cursos profissionalizantes, são alguns dos diferenciais que contribuem para a redução do número no sistema socioeducativo amazonense. “O atendimento humanizado ao adolescente durante e pós cumprimento da medida socioeducativa é outro ponto positivo que resulta na baixa taxa de reincidência do estado”, afirmou Mirtes.