Faltando apenas dois dias para as eleições, as polícias do Amazonas já começam a realizar prisões de candidatos que estão dispostos a tudo para ficar à frente dos concorrentes no pleito eleitoral, pouco se importando em explorar doenças, miséria e até a fome do povo. Comprar votos é o de menos quando se quer ganhar a todo custo. Quanto mais pobre o eleitor, mais vantagem tem o candidato sobre o seu eleitorado.

Exemplo disso é que a Polícia Federal, na manhã de ontem (12/11), ao realizar fiscalização para prevenir crimes eleitorais na entrada de Itacoatiara/AM, abordou um veículo de propriedade de candidato a prefeito do município.

Durante a vistoria no interior do veículo, foi encontrada a quantia de R$52.500,00 em espécie. Em razão da divergência acerca da origem e o destino dos valores, os policiais federais conduziram o candidato até a base da Polícia Federal para os devidos procedimentos de polícia judiciária, oportunidade em que foram colhidas as declarações dos envolvidos e efetivada a apreensão da quantia em dinheiro.

Após tais fatos, o juiz e o Ministério Público foram formalmente comunicados de todo o ocorrido para as demais providências cabíveis.

 

Remédio e cestas básicas vale um voto?

Em Manacapuru, o 9º batalhão de Polícia Militar apreende um carro suspeito de compra de votos com cestas básicas, santinhos da campanha do atual prefeito do município, além de receitas médicas, encaminhamentos e remédios. Dois homens foram presos e encaminhados para a delegacia.

e cestas básicas valem um voto?

Em Manacapuru, o 9º batalhão de Polícia Militar apreendeu um carro suspeito de compra de votos com cestas básicas, santinhos da campanha do atual prefeito do município, além de receitas médicas, encaminhamentos e remédios. A

 

Corrupção Eleitoral

A aquisição ilícita de pleito, popularmente conhecida como compra de votos é uma prática eleitoral dolosa e ilícita, não necessariamente explícita, de adquirir votos em troca de bem ou vantagem de qualquer natureza, inclusive empregos, funções públicas, presentes e influências políticas. Esta é uma prática condenável dentro da política brasileira, muito embora haja relatos de sua aceitação desde o período da República Velha. O crime de corrupção eleitoral, tipificado na regra do art. 299, do Código Eleitoral e que abarca as condutas de “dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita.” Informações do JusBrasil.