Uma quadrilha especializada em encomendar o roubo e a clonagem de veículos para serem vendidos em sites de compra e venda pela internet foi desarticulada pela polícia em Manaus, que conseguiram pegar nada menos que 10 veículos roubados e clonados, avaliados em R$ 250 mil. A Operação Covil das Hienas identificou Aridelson de Oliveira Sobreira, de 25 anos, conhecido como “Ari”, e Victor Gabriel Moura França, 22, como integrantes do esquema criminoso. Segundo o delegado Cícero Túlio, eles eram responsáveis por encomendar os veículos para Yago Barbosa Braga, 28, chamado de “Berg”, que possuía a função de determinar os roubos dos carros.

“Após o crime, os carros eram levados para uma oficina de Aquilis Alves Lira, 36, onde eram clonados, com a ajuda de Junior Morais de Oliveira Filho, 25, que também conseguia gerar os documentos falsos dos automóveis. Sendo assim, começamos a monitorar a organização criminosa há cerca de duas semanas, após uma vítima comparecer à DERFV, onde informou que havia comprado um veículo modelo Fiat Toro, sem saber que era clonado e roubado. A vítima chegou a pagar o valor de R$ 65 mil para Aridelson e Victor Gabriel”, detalhou Cícero Túlio.

Apreensões – Durante a ação, os policiais da DERFV apreenderam seis automóveis roubados e clonados, sendo dois modelos Onix, um Gol, um Voyage, outro Kia Cerato, além de um Chevrolet Vectra; seis motocicletas roubadas e adulteradas; e diversos pinos de remarcação e placas de veículos que já haviam sido roubados e clonados pelo grupo criminoso anteriormente.

Prisões – Ao longo das diligências realizadas nesta quarta, todos os integrantes da organização criminosa foram localizados e presos nas áreas da Comunidade Riacho Doce, do bairro Cidade Nova e do bairro Coroado, nas zonas norte e leste da capital.

Cícero Túlio relatou que Aquilis já foi preso outras seis vezes pelos mesmos crimes. Já Júnior possui passagens pela polícia por tráfico de drogas e roubo majorado. E “Berg”, responde na Justiça por crimes de trânsito.

Procedimentos – Aquilis, Aridelson, Júnior, Victor Gabriel e Yago serão indiciados por organização criminosa, receptação qualificada, uso de documento falso e adulteração de sinal identificador de veículo automotor. Após os procedimentos cabíveis na DERFV, eles serão levados para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde deverão passar por audiência de custódia via videoconferência.