A Balança Comercial do Amazonas apresentou em julho crescimento tanto nas importações quanto nas exportações do mercado local. As exportações aumentaram 43,20% na comparação com julho de 2019, e 14,70% em relação a junho de 2020. Os valores exportados somaram US$ 80,10 milhões. O estudo completo da Balança Comercial está disponível na página da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), no endereço www.sedecti.am.gov.br, item “Mapas e Indicadores”.

Em julho, os principais destinos das vendas externas processadas pelo estado foram Venezuela e Colômbia, equivalentes a 37,87% das exportações. O principal produto exportado para a Venezuela foi óleo de soja (US$ 3.689.684,00), o equivalente a 21,43% das exportações para aquele país. Para a Colômbia, o principal produto exportado foram “outras preparações alimentícias” (US$ 9.345.073,00), o que representou 71,24% das exportações para esse país.

IMPORTAÇÕES

O aumento das exportações é reflexo da recuperação das atividades do Polo Industrial de Manaus, ficou demonstrado nas importações e no crescimento de mais de 300% das exportações de motocicletas – na comparação com junho deste ano.

As Importações do Amazonas em julho somaram US$ 744,36 milhões, o equivalente a 6,47% de participação nas importações do Brasil. A retomada das atividades das indústrias do Polo Industrial de Manaus afetou as importações, com aumento de volume em cerca de 20,31%, na comparação com junho de 2020, e redução de 19,96%, com julho de 2019.

A China se mantém como principal país de origem das importações do Amazonas, com o valor de US$ 327,80 milhões, o que representa a participação de 44,04% das importações. Vietnã vem em seguida, com o valor de US$ 83,16 milhões, o equivalente a 11,17% do total. O principal produto importado da China foi da categoria “Outras partes para aparelhos de radiodifusão” (30,31% dos produtos importados desse país), enquanto do Vietnã se destacam “Partes de aparelhos telefônicos”, equivalente a 45,21% das transações oriunda desse país.


SINALIZAÇÃO 

Para o secretário titular da Sedecti, Jório Veiga, os resultados da balança comercial de julho demonstram o início do retorno à normalidade das atividades industriais e de comércio no Amazonas. “Importações crescendo para recomposição de estoques e ajustes à demanda de produção, paralelas à retomada da exportação em níveis mais próximos do normal em vários setores, como o de concentrados para bebidas, por exemplo, são sinais  positivos importantes que indicam o início do processo de recuperação econômica pós-pandemia”, avaliou o secretário.

Em julho, a participação do Amazonas na Corrente de Comércio do Brasil alcançou 2,65%. A Corrente de Comércio do Estado do Amazonas (soma das importações com as exportações) totalizou US$ 824,46 milhões.

MUNICÍPIOS DO INTERIOR 

Na avaliação por municípios do interior, Presidente Figueiredo foi o maior exportador (US$ 4,45 milhões) em julho, e o principal destino foi a China, sendo Ferro-ligas o principal produto. O segundo município que mais exportou foi Itacoatiara (US$ 3,53 milhões), e como principal destino a Espanha, sendo a Soja o principal produto exportado.

Nas importações, Silves se destacou como maior importador (US$ 16,41 milhões), tendo a China como maior parceiro comercial e Contêineres como principal item importado. Itacoatiara ficou em segundo lugar, com o valor de suas importações em US$ 505 mil, tendo a Finlândia como principal local de origem de suas importações, sendo Parte de motores o principal.

O saldo negativo nas transações comerciais no mesmo período diminuiu 24% na comparação com julho de 2019 e aumentou 20,69% na comparação com junho deste ano. Isso foi motivado pelo aumento das exportações e das importações.