De acordo com dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares – Abraciclo, a indústria de motocicletas produziu 53.631 unidades em janeiro.

O presidente da Abraciclo, Marcos Fermanian, afirma que a queda em relação a dezembro de 2020 já era esperada, pois a cadeia produtiva foi fortemente impactada pela segunda onda do coronavírus na cidade de Manaus, que levou o governo estadual a impor restrições à circulação de pessoas e instituir o toque de recolher.

De acordo com Fermanian, o cenário adverso neste início do ano não deve alterar a estimativa da entidade de produzir 1.060.000 motocicletas em 2021. “O impacto de janeiro já estava nos nossos radares. É preciso que a imunização em massa ocorra o mais rápido possível para que a indústria volte a operar com fôlego e consiga, finalmente, equilibrar a relação de oferta e demanda”, destaca.

Vendas no varejo

Em janeiro foram emplacadas 85.798 motocicletas. A Street foi a categoria mais emplacada com 41.738 unidades licenciadas e 48,6% do mercado. Na sequência, vieram a Trail (16.567 unidades e 19,3% de participação) e a Motoneta (12.545 unidades e 14,6%).

Com 20 dias úteis, a média diária de vendas foi de 4.290 unidades – a melhor desde janeiro de 2015, que teve 5.174 motocicletas emplacadas/dia. Em relação a dezembro, com dois dias úteis a mais e média diária de 4.490 unidades, o recuo foi de 4,5%. Na comparação com janeiro do ano passado, que também teve 22 dias úteis, foi registrada alta de 3%. Naquele mês, a média diária de vendas foi de 4.167 motocicletas.

Exportações

No primeiro mês do ano, foram exportadas 3.904 motocicletas. Segundo levantamento do portal de estatísticas de comércio exterior Comex Stat, que registra os embarques totais de cada mês, analisados pela Abraciclo, os três principais destinos foram: Argentina (1.704 unidades e 42,2% do volume total exportado), Estados Unidos (1.198 unidades e 29,7% das exportações) e Austrália (579 unidades e 14,3%).

A fabricação nacional de motocicletas, quase totalmente concentrada no Polo Industrial de Manaus (PIM), está entre as sete maiores do mundo. No segmento de bicicletas, com as principais fábricas também instaladas no PIM, o Brasil se encontra na quarta posição entre os principais produtores mundiais. No total, as fabricantes do Setor de Duas Rodas geram cerca de 12,8 mil empregos diretos em Manaus/AM.