O jogo entre Flamengo e Boa Vista pelo Campeonato Carioca disputado na noite desta quarta-feira foi um verdadeiro marco na história do futebol brasileiro e das transmissões esportivas. Sem aceitar as migalhas da Globo e aparado por um abençoado e bem vindo decreto do presidente Jair Bolsonaro, o Flamengo transmitiu a partida por suas redes sociais, alcançou mais de 14 milhões de torcedores e arrecadou R$ 700 mil sem precisar vender um único ingresso. Veja bem. Não era Flamengo e Vasco, não era a final do Brasileiro, Copa do Brasil ou Libertadores. Era um jogo insignificante para a grandeza do que o Flamengo disputa. Uma mera partida do Campeonato Carioca contra um adversário inexpressivo. Para desespero da Globo, ontem ficou provado que o Flamengo não precisa da emissora dos Marinho. E mais do que isso: que pode ganhar muito mais longe da tela da empresa carioca.

RECADO AOS CLUBES

Se o Flamengo colocou a globo de joelhos e mandou chupar, os clubes grandes do futebol brasileiro podem fazer a mesma coisa. Nesta quinta-feira a emissora emitiu um comunicado anunciando que não vai mais transmitir o Carioca deste ano. Alega quebra de contrato. Mas o Flamengo não assinou contrato nenhum, como explica o próprio comunicado. O que a Globo descobriu, nesta quarta-feira, é que o Flamengo é maior do que ela. E o futebol brasileiro também!

O BRASIL VALE MAIS  

Nos últimos tempos a notícia mais repetida na Globo é que os medalhões estão sendo demitidos. Gente do quilate de Renato Aragão, Miguel Falabella e Cláudia Raia, lembrando do amazonense Malvino Salvador, foram mandados para o RH. Após descer aos porões do jornalismo e usar o Jornal Nacional para atacar quem não baixou a guarda para seus caprichos e mordomais, a emissora que por 50 anos controlou o monopólio da informação, ensinou o que não presta para as famílias e encheu os cofres, vive sua pior crise financeira, moral e ética.

FAIXA AZUL

A partir de segunda-feira a Constantino volta a destinar uma faixa exclusivamente para ônibus. Não faz sentido uma cidade inaugurar um terminal de mobilidade urbana e não priorizar o interesse coletivo. E a Faixa Azul é a prova de que o coletivo está à frente do individual. Quem vai e vem de ônibus certamente está achando ótimo. E um dos segredos das cidades com mobilidade urbana de primeiro mundo é priorizar o transporte coletivo. Carro em casa significa ar menos poluído. Ponto para a Prefeitura de Manaus.

EDUCAÇÃO

Infelizmente ainda não encontramos um meio de educar os motoristas. Se a Faixa Azul é uma demonstração de que o futuro está na organização das vias. a quantidade de infrações que todos os dias os motoristas cometem na cidade só comprova que ter uma CNH na mão está longe de ser sinônimo de capacidade ao volante.

NINGUÉM MERECE

O preço da gasolina voltou a subir em Manaus, repentinamente, sem ninguém saber o motivo.

Os donos de postos são como deuses na cidade. Os reis que fazem as leis.

O Procon para esse pessoal é uma mera marca sem função.

Falando em preço da gasolina e a CPI? Terminou tudo em pizza?

Muita gente tem pesadelo com bomba de gasolina.

Enquanto poucos olham para aquela mangueira e enxergam uma máquina de produzir dinheiro.