Gabigol vai responder na Justiça por crime contra a saúde pública ao participar de aglomeração com aproximadamente 200 pessoas dentro de um cassino clandestino em São Paulo. O atacante do Flamengo foi flagrado no local nas primeiras horas do domingo

Após a ação da polícia no local, o atleta e cerca de outras 50 pessoas foram encaminhadas para a 1ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Infrações contra a Saúde Pública (DIISP). Gabigol e os demais assinaram um Termo Circunstanciado (TC), que nada mais é do que um registro policial para casos de menor potencial ofensivo, pelo crime de infração de medida sanitária preventiva. Todos foram liberados na sequência. Como a irregularidade cometida não é considerada tão grave, todos terão de passar pelo Juizado Especial Criminal (Jecrim).

Um trecho do TC assinado por cada um dos detidos dizia: “Total falta de respeito dos participantes do evento, que, sem qualquer empatia ao próximo, se aglomeravam atingindo de modo veemente a saúde da coletividade”.

Saiba o que acontece agora com Gabigol

Os autos de cada um dos envolvidos, incluindo Gabigol, serão encaminhados para o Ministério Público (MP), para que o juiz Fabricio Reali Zia se manifeste individualmente sobre todos.

Depois que a ficha de antecedentes criminais de cada um deles for checada, o MP poderá indiciar ou não os envolvidos. Aqueles que forem responsabilizados podem se enquadrar nos seguintes artigos:

  • Artigo 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa. A pena é de detenção de um mês a um ano ou pagamento de multa.
  • Artigo 50 – Estabelecer ou explorar jogo de azar em lugar público ou acessível ao público, mediante o pagamento de entrada ou sem ele. A pena é de detenção de três meses a um ano ou pagamento de multa.

Em entrevista ainda no domingo (15), Gabigol explicou que não estava no cassino para jogar, mas sim para jantar com os amigos. Gabigol também disse que quando percebeu que o local estava com muita gente resolveu ir embora, justamente quando os policiais chegaram.

“Não tenho costume de ir ao cassino, a única coisa que eu jogo é videogame. Estava com meus amigos, fomos comer. Quando estava indo embora, a polícia chegou mandando todo mundo ir para o chão”, disse.

“Faltou sensibilidade da minha parte. Era meu último dia de férias e estava feliz de estar com meus amigos. Faltou sensibilidade. Mas usei máscara, álcool gel. Quando percebi que tinha um pouquinho mais de gente, estava indo embora”.