O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), tem intensificado as ações de acolhimento da população em situação de rua para o abrigo emergencial temporário, localizado na área da Concentração do Sambódromo, zona centro-oeste. O espaço foi inaugurado no dia 25 de fevereiro, como medida de proteger esse público do contágio da Covid-19, e já conta com 82 abrigados.

O espaço possui capacidade para atender até 150 pessoas dessa população em vulnerabilidade, e funciona 24 horas com oito estruturas de tendas, abrangendo 800m², nos moldes das disponibilizadas pela operação “Acolhida”, do Governo Federal. O abrigo segue os protocolos de segurança estabelecidos pelo Ministério da Saúde e por organismos internacionais como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No local, os abrigados contam com dormitórios, refeitórios e banheiros, recebem seis refeições diárias e têm acesso a atividades culturais, palestras, atendimento psicossocial, além de acesso à documentação civil. As atividades são realizadas por servidores do corpo técnico da Sejusc e por Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que atuam no espaço.

Triagem
Antes do acesso ao abrigo emergencial, as pessoas em situação de rua passam por testes rápidos para Covid-19, HIV (vírus causador da Aids) e tuberculose, realizados por equipe do Consultório na Rua, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), e também pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM). A triagem ocorre na sede da OSC Comunidade Católica Nova e Eterna Aliança, rua Visconde de Mauá, 339, Centro de Manaus.

Após a coleta, é preenchida a ficha social com os dados do solicitante, além dele ser informado sobre as regras de convivência do abrigo. Caso aceite e não teste positivo para o novo coronavírus, deve assinar um termo de comprometimento, recebendo então uma fita azul, que garante a entrada no local. Após isso, ele é levado em um ônibus, cedido pela Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), até o abrigo.

Equipes e apoios
Servidores de todas as secretarias executivas da Sejusc trabalham no abrigo, com o objetivo de garantir os direitos legais da população em situação de rua, atendendo a política estadual e nacional de direitos humanos. Todo o trabalho desenvolvido no abrigo emergencial conta com o apoio das secretarias de Estado de Assistência Social (Seas), de Saúde (SES) e de Cultura e Economia Criativa; da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa); e de OSCs que atuam com esse público.