O Governo do Amazonas anunciou nesta sexta-feira (19), que vai liberar a reabertura do comércio geral em todo o Estado. A liberação passa a valer a partir da próxima segunda-feira (22). Mas com algumas limitações de horário.

“Evite entrar em lojas que estejam com capacidade além do permitido e denuncie para os órgãos de controle. Lembramos que essas medidas de flexibilização podem ser revogadas a qualquer momento. É importante que todos obedeçam às regras”, disse o governador.

Lojas e shoppings e restaurantes podem abrir as portas

As lojas em geral podem funcionar de segunda a sábado das 9h às 15h. No domingo, fica proibido o funcionamento. O delivery continua funcionando de 8h às 17h, e drive thru, de 8h às 16h.

Shoppings centers também estão liberados de 10h às 16h, de segunda a sábado, com delivery de 8h às 17h, e drive thru de 10h às 17h.

Restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos registrados como restaurantes, podem funcionar de 6h às 16h, de segunda a sábado, com capacidade máxima de 50%. O delivery pode funcionar até 22h e drive thru até 18h.

A praça de alimentação dos shoppings centers deve seguir o mesmo horário de funcionamento dos restaurantes e podem operar com capacidade máxima de 50% do público, distanciamento entre mesas, uso de máscara pelos clientes enquanto não estiver consumindo os produtos.

Supermercados deverão manter o horário de funcionamento que já estava em vigor no decreto anterior, entre 6h e 19h. No entanto, o governador informou que produtos de departamentos considerados não-essenciais agora estão liberados.

As unidades de ensino podem abrir a área administrativa de segunda a sexta, com a capacidade de 50% e por agendamento.

“Não vá ao comércio passear, não vá ao shopping passear. Eu não queria estar dizendo isso aqui, porque sei, principalmente na nossa região, o quanto esses estabelecimentos são visitados. A questão das feiras, que é uma questão cultural, tradicional, em que as famílias vão às feiras. Mas estamos em uma pandemia”, disse.

Balanço epidemiológico 

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) divulga o consolidado diário de vacinação contra Covid-19 no Amazonas. Dados parciais do Programa Nacional de Imunização, da FVS-AM (PNI/FVS-AM), apontam que 224.839 doses foram aplicadas em todo o estado, até esta quinta-feira (18/02), sendo 209.767 de primeira dose e 15.072 de segunda dose.

O Plano Operacional da Campanha de Vacinação contra Covid-19 no Amazonas, desenvolvido pela FVS-AM, com base nas orientações do Ministério da Saúde (MS), prevê que, nesta primeira fase da vacinação, sejam contempladas pessoas que estejam nos seguintes grupos prioritários: povos indígenas vivendo em terras indígenas, trabalhadores de saúde, pessoas de 80 anos ou mais, pessoas de 75 a 79 anos, pessoas com 60 anos ou mais institucionalizadas e pessoas com institucionalizadas com deficiência.

As informações consolidadas pela FVS-AM são de responsabilidade das secretarias municipais de saúde, responsáveis pela operacionalização da imunização contra Covid-19 em suas cidades. Neste balanço, seis cidades não enviaram a informação, são elas: Apuí, Fonte Boa, Manicoré, Tabatinga, Tonantins e Urucurituba.

AM reduz taxa de transmissão do novo coronavírus

A taxa de transmissibilidade do novo coronavírus (RT), no Amazonas, apresentou uma redução de 1,3 para menos de 1,0 nas primeiras semanas do mês de fevereiro. Atualmente a RT está em 0,95, sendo a menor taxa já registrada este ano, colocando o Amazonas na 22ª posição no ranking desse indicador entre os estados brasileiros.

Em janeiro, o estado ocupava a primeira posição no ranking da taxa de transmissão do novo coronavírus no país, com 1,30, o que significa que cada 100 pessoas infectadas transmitiam o vírus para outras 130.

A desaceleração é fruto de uma combinação de fatores, que inclui a restrição de circulação de pessoas no Amazonas, a suspensão temporária das atividades comerciais não essenciais, o aumento dos índices de isolamento e o avanço da vacinação no estado, que também está em primeiro lugar no ranking nacional.

Para o secretário de saúde, Marcellus Campêlo, o retorno das atividades não essenciais depende da queda expressiva de casos e dos óbitos que, apesar de reduzirem, ainda estão em patamares altos.

O diretor-presidente em exercício da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), Cristiano Fernandes da Costa, explica que mesmo em desaceleração é preciso manter os cuidados, visto que o aumento de casos de Covid-19 no estado ainda é recente. O secretário da SES-AM destacou também que, apesar de Manaus estar na fase vermelha da pandemia, o interior continua na fase roxa, considerada a fase mais crítica, e que por isso algumas medidas estão sendo reforçadas.