O diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), Valdenor Cardoso, participou da 58ª Assembleia Geral Ordinária da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer). O evento, realizado por videoconferência, discutiu ações e projetos voltados a regularização fundiária e ambiental, importância da Ater gratuita e continuada para o desenvolvimento rural sustentável, projetos nacionais e internacionais previstos para 2021.

O encontro nacional contou com a presença de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) e de gestores das entidades de Ater do Brasil como Amazonas, Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso, Paraíba, Piauí, Bahia, Rondônia, Alagoas e Acre.

Representando o Amazonas, Valdenor Cardoso, falou das ações do Idam e da importância da assistência técnica para o desenvolvimento rural. “O trabalho do Idam é essencial na construção de matrizes econômicas, a exemplo da castanha-do-Brasil, pirarucu manejado, guaraná e açaí. Nossa missão é apoiar o agricultor familiar que precisa melhorar sua estrutura de produção e acessar às políticas públicas disponíveis para o setor primário”, destacou.

Na ocasião, Valdenor também lembrou de resultados positivos alcançados com convênios federais junto ao Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), a exemplo das Chamadas Públicas e do Pacto Federativo, e ressaltou que a criação de novas Chamadas direcionadas para indígenas, mulheres rurais e formação de técnicos extensionistas são fundamentais para o Amazonas. Além da implantação de um laboratório de solos para apoiar a agricultura familiar e o fortalecimento da gestão de cooperativas e associações.

Projetos– Um dos assuntos mais discutidos durante o encontro foi a criação de projetos para assentamentos. O objetivo é proporcionar ao agricultor familiar uma assistência técnica continuada, elaboração de diagnóstico das áreas de assentamento, e apoio na regularização ambiental e fundiária.

Outro assunto abordado foi a importância de órgãos de pesquisa como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e entidades de Ater trabalharem em sintonia. “É essencial o papel da Embrapa na transferência de tecnologias no meio rural e a assistência técnica surge para acompanhar esse agricultor e também para apoiá-lo no momento da comercialização”, destacou o secretário da Agricultura Familiar e Cooperativismo do Mapa, Fernando Schwanke.

Entre os projetos para 2021, também está previsto o Terra Brasil voltado ao crédito fundiário. A iniciativa visa desburocratizar e facilitar o acesso a financiamentos, além de reduzir o prazo de contratação de 24 para 6 meses.