Na tarde deste domingo (7), os corpos de Adonias Junior Cardoso Filho, que tinha 42 anos, e Esdras Manassés Cavalcante Pinto, que tinha 38 anos, foram encontrados em uma cova rasa em uma área de mata na avenida 2000, bairro Distrito Industrial, zona Sul.

De acordo com o tenente Ruiz do Corpo de Bombeiros, uma viatura de apoio rápido (AR) e a equipe da Auto Bomba Tanque (ABT 25) do 1º Batalhão de Incêndio, foram acionados.

De acordo com o tenente, um deles, Adonias foi decapitado. A família esteve no local após reconhecer uma das vítimas em um vídeo que circulou no WhatsApp.

 

Sequestro e morte das vítimas

Conforme  com o Boletim de Ocorrência (BO), registrado na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), no sábado (06/02), às 17h48, os familiares de Adonias Junior Cardoso Filho, relataram que ele desapareceu, após ser levado da oficina mecânica do filho dele, por indivíduos até o momento não identificados, que saíram de um automóvel Voyage de cor branca, e que se apresentaram como policiais, no entanto, o filho da vítima observou que alguns deles estavam com tornozeleiras eletrônicas.

Na ocasião, a vítima estava em seu carro, uma BMW 18i, junto do filho, em frente à oficina, quando três indivíduos portando arma de fogo saíram do veículo Voyage, sendo que um quarto integrante estava no carro, e pediram para que o filho de Adonias corresse do local.

Segundo o BO, os três homens entraram no veículo da vítima e saíram da frente do estabelecimento, acompanhados pelo carro que os conduziu até aquele local. Posteriormente, por volta de 23h25, o automóvel de Adonias foi encontrado na Avenida Danilo Areosa, bairro Distrito Industrial.

Conforme o relatório do Ciops, no domingo (07/02), o pai de Esdras (vítima 2), compareceu à DEHS, por volta das 12h20, para comunicar que o corpo de seu filho foi encontrado juntamente com o corpo de Adonias. Os corpos estavam enterrados próximo a um igarapé, nas imediações da avenida Manaus, no bairro Japiim, zona sul da cidade.

 

 

 

Bilhete

Após o encontro do cadáver das vítimas, um vídeo gravado pelos executores, mostra que eles supostamente teriam sido mortos por roubar drogas da facção Comando Vermelho e vender para a Rocam.

“Morri por que tava vendendo droga roubada pra Rocam”, dizia um cartaz feito com cartolina. A referida droga teria sido roubada da facção Comando Vermelho.

Entramos em contato com a Secretaria de Segurança Pública, que respondeu que o caso é de responsabilidade da Polícia Civil, no entanto até a publicação desta matéria, não recebemos resposta desta última.