Enquanto boa parte do mundo espera que os cientistas finalizem os testes com as vacinas, e o presidente Jair Bolsonaro afirma que a cloroquina foi “enviada por Deus” para salvar o mundo da Covid-19, índios da aldeia Bacurizinho, da etnia Guajajara no Maranhão, estão salvando a própria pele com uma garrafada de jenipapo e maconha.

É isso mesmo. Se a Medicina não aprova mas também não descobriu nada que mate o coronavírus, eles usam a própria cultura diante da ameaça trazida pelo homem branco. O site Metrópoles trouxe o depoimento de Edilene Souza Guajajara, que é uma conselheira de saúde, na prática a pessoas que prepara o elixir da saúde.

“Alguns parentes que não queriam ir para a cidade e para o hospital tomaram esse remédio caseiro e muitos foram curados. Fizemos uma garrafada também para as crianças tomarem, com casca de cumaru e sucupira”, descreve.

No desespero internacional diante da pandemia, não se pode duvidar nem crer em nada.