Mais uma vez os institutos de pesquisa de Manaus são desmoralizados nas urnas. Erraram feio. Sequer conseguiram apontar o empate entre Amazonino Mendes e David Almeida, muito menos o terceiro lugar acachapante de José Ricardo, tão pouco a imensa quantidade de votos do novato Coronel Menezes. Nos próximos dias, vão começar a prever o próximo prefeito. Mas com que moral? Sem condições.

PIANINHOS 

Não há explicação verdadeira para tamanhos erros. É assim desde sempre. E o eleitor sabe disso. Os mais de 139 mil votos do Homem da Kombi, os mais de 110 mil de Menezes e a diferença mínima entre os dois primeiros foi guardada a sete chaves. Assim como o nome do eleito no segundo turno. Já pode dar o óleo de peroba e o Nariz de Pinóquio para esses matemáticos de mentira.

PERDEU GANHANDO

De todos os candidatos a prefeito de Manaus que não estão no segundo turno, Coronel Menezes foi o que saiu por cima. Sem conchavos com outros partidos, sem tempo de TV, sem ser político de carreira, sem comprar pesquisas, só não está no segundo turno por causa da estratégia sórdida de opositores, que lançaram várias candidaturas para dividir votos. Tinha 4% nas pesquisas, e saiu com 12% nas urnas. Um capital político incontestável.

RENOVAÇÃO 

Mais de 50% de mundaça na Câmara Municipal de Manaus. O eleitor decidiu renovar a água. Os que se elegeram como personagens de televisão dançaram, os que criaram problema para vender solução, os que dão esmola em troca de voto também dançaram.

ATRASO NA APURAÇÃO

O atraso na divulgação dos votos foi um evento jamais visto na era moderna da democracia no Brasil. Ficou claro que o TSE tem margem para aprimorar a segurança. A missão é ser mais rápido do que os hackers e não dar margem a interpretações.

NINGUÉM MERECE

Mais de 50 candidatos foram presos em todo o Brasil no primero turno.

Vimos dinheiro dentro de casa, políticos tranformando propina em pesquisa e até distribuição de frango.

Quem vende voto, é descartado no dia seguinte.