A Junta Comercial do Estado do Amazonas (Jucea) registrou de janeiro a setembro de 2020, um total de 4.822 novas empresas no estado, conforme dados do Sistema Mercantil de Registro (SRM), vinculado ao Ministério da Economia. Este número é superior, mesmo com a suspensão das atividades econômicas devido à pandemia do Covid-19, ao registrado no mesmo período de 2019, que obteve 4.318 novas constituições, um crescimento de 10,45%.

No entanto, o mesmo não se aplica ao número de empresas extintas neste período, uma vez que em 2019 foram encerrados 1.702 negócios. Já esse número em 2020 foi de 2.204 empresas.

Entre os tipos empresariais mais registrados no Amazonas em 2020, destaca-se em primeiro lugar a natureza jurídica de Empresário Individual (EI) com 2.115 novas empresas. Seguida do registro de Sociedade Empresária Limitada com 1.444 novas aberturas.

Já no ano de 2019, de janeiro a setembro, a natureza jurídica de Empresário Individual deteve a constituição de 2.153 novas empresas, permanecendo na liderança de tipo empresarial mais procurado pelos empreendedores amazonenses na Jucea. Porém, no segundo lugar com o maior tipo jurídico registrado neste ano, com 581 constituições foi o de Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli). Essa predileção se explica devido ao fato do Eireli ter sido novidade em 2019.

Queda de 42% nas extinções de empresas – Conforme o relatório do Sistema de Registro Mercantil, a Jucea registrou uma queda de 42% nas extinções de empresas no Estado no mês de agosto. Devido ao fato de que no mês de julho ter registrado o número de 374 extinções contra 217 em agosto.

Setembro registra maior número de novas empresas – Já no mês de setembro, a Jucea registrou 706 novas constituições de empresas. Até então, o mês de julho que detinha o maior quantitativo com 701 constituições. Apesar de a diferença ser pouca, o número é o maior registrado pela autarquia, após o retorno das atividades econômicas que estavam suspensas devido à pandemia do Covid-19, no mês de junho.