Um homem de 21 anos, preso no domingo (29), acusado de esfaquear gatos e cachorros no bairro Educandos, ganhou o direito de responder o crime em liberdade provisória. A decisão foi proferida pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), nesta segunda-feira (30), durante audiência de custódia.

Conforme a Comissão Especial de Proteção aos Animais da Ordem de Advogados do Brasil (CEPA-OAB/AM), a prevenção ao novo coronavírus no sistema prisional e o fato dele ter residência fixa, fez a Justiça considerar pela liberdade do criminoso.

“Tentamos, mas o trabalho não acabou. O trabalho continua. Os animais ainda precisam de assistência veterinária, precisam da família, da gente que estamos doando medicamentos e ajudando. Nós continuamos acompanhando. Além de acompanhar os animais que foram atacados, também vamos acompanhar na Justiça”, disse com a presidente da CEPA-OAB/AM, advogada Aline Oliveira.

Na decisão, a juíza determinou como medidas cautelares: proibição de se ausentar da cidade sem autorização prévia da Justiça e recolhimento domiciliar das 20h às 6h.

 

O crime

No último domingo (29), dois gatos morreram e três cachorros ficaram feridos após ser esfaqueados pelo infrator no bairro Educandos. Na ocasião a faca utilizada no crime foi apreendida conforme informação da polícia.

O suspeito foi preso no último domingo (29), por suspeita de ter esfaqueado gatos e cachorros, no bairro Educandos. Dois gatos morreram e três cachorros ficaram feridos. A faca utilizada no crime foi apreendida, de acordo com a polícia.

“Ela ligou para mim e informou que os cachorros da Rua Delcídio do Amaral haviam sido esfaqueados e, nesta situação, também, dois gatos foram esfaqueados e mortos por um homem que aparentemente estava drogado e desceu a ponte do Educandos, revoltado e esfaqueando os animais”, explicou a advogada Goreth Rubim, que recebeu a denúncia por meio de uma moradora do bairro.

A 2ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), foi quem realizou a prisão do homem e o apresentou no 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP). E de acordo com a polícia, nenhum dos animais eram do acusado, os cachorros têm dono e foram levados para uma clínica veterinária, já os gatos que eram de rua, morreram.