Foram retomadas nesta terça-feira (14/07) as visitas de familiares aos internos que cumprem medidas nos centros socioeducativos do Governo do Estado. O retorno nos locais coordenados pela Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) será realizado de forma gradual e dividido por unidade, seguindo as normas de segurança para evitar a contaminação pelo novo coronavírus (Covid-19).

 

As visitas começaram hoje no Centro Socioeducativo Senador Raimundo Parente, bairro Cidade Nova, zona norte. Na quinta-feira (16/07), os procedimentos retornam no Centro Socioeducativo de Internação Feminina, bairro Alvorada, zona centro-oeste, e no sábado (18/07), no Centro Socioeducativo Assistente Social Dagmar Feitoza e na Unidade de Internação Provisória, ambos no bairro Alvorada, zona centro-oeste.

 

O secretário William Abreu, titular da Sejusc, afirma que o retorno das visitas funcionará seguindo as normas de segurança, entre elas o uso obrigatório de máscara, distribuição de álcool em gel, pias para higienização das mãos, aferição de temperatura e restrição de contato físico.

 

A secretária executiva dos Direitos da Criança e do Adolescente, Edmara Castro, explica que, devido à pandemia, as visitas de familiares estavam suspensas desde o dia 16 de março, justamente para afastar qualquer risco de contaminação. Na ocasião, ela conta, os procedimentos tiveram que ser alterados.

 

“Os adolescentes estavam tendo contato com a família por videochamadas. Elas vão continuar para aqueles adolescentes oriundos do interior e cuja família não pode visitar num dia normal. O retorno das visitas tem o objetivo de garantir o direito desse adolescente, preconizado no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), e ao mesmo tempo resguardá-lo do contágio do Covid-19, considerando que não sabemos se as pessoas estão doentes”, explicou, acrescentando que pessoas de grupos de risco e crianças não poderão entrar nas unidades neste primeiro momento.

 

A irmã de um interno do Centro Socioeducativo Senador Raimundo Parente, Samara Silva, afirmou que o sentimento é de alegria. “Me falaram de todas as regras de como era para vir. Estamos há muito tempo sem nos ver e só tem eu para visitar nesse momento. Achei bom porque me ligaram e quase chorei quando o vi. Sei que ele está bem”, disse.