Dos 62 municípios do Amazonas, 55 tiveram crescimento no Produto Interno Bruto (PIB), o que representa o total de 88,7% de todo o Estado que, em valores nominais equivale ao volume de mais de R$ 100 bilhões e com um aumento de 7,4% na comparação entre os anos de 2017 para 2018. É o que aponta o resultado do levantamento dos PIBs dos municípios do Estado, produzido pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No estudo, o destaque foi para o município de Presidente Figueiredo com o maior crescimento registrando variação de 84,6% na comparação entre 2017 e 2018, sendo esse crescimento influenciado pela indústria extrativa.

O estudo mostra Manaus, onde se concentra o Polo Industrial, como o município que teve o maior PIB com o total de R$ 78,192 bilhões, representando 78,1% do total do PIB do Amazonas. A capital teve um crescimento de 6,8% na comparação entre 2017 e 2018.

Já o município de Coari foi o segundo maior PIB do Estado para o período, contabilizando R$ 2,016 bilhões e uma participação de 2,0%; seguido por Itacoatiara com R$ 1,881 bilhão e uma participação de 1,9% em relação ao Estado. Coari, que no ano de 2017 estava na quarta posição, saltou para a segunda colocação em 2018, onde o aumento do PIB foi ocasionado pela influência da indústria extrativa de gás e petróleo.

Setor da Indústria

O Setor da Indústria em todo o Estado, no ano de 2018, apresentou valores de R$ 28,935 bilhões contra R$ 26,056 bilhões de 2017. O município de Manaus que corresponde a 91,3% da Indústria do Estado, ficou com o valor de R$ 26,426 bilhões em 2018, enquanto Coari ficou com R$ 955,793 milhões, ocupando a segunda posição no setor com 3,3% de participação na Indústria.

Presidente Figueiredo foi o terceiro município a se destacar com participação de 1,1% e valor alcançado de R$ 324,038 milhões. O crescimento foi ocasionado pela indústria extrativa, com aumento de 34,35% na produção de columbita-tantalita e no faturamento de 93,92% na comparação entre os anos de 2017 e 2018.

Outro destaque foi Tefé que saiu da sexta posição em 2017 para a quarta em 2018 registrando o valor de R$ 212,588 milhões, cujo aumento de 142,2% foi influenciado pelo crescimento na produção de gás natural (9,7%) e no consumo (6,3%).

Setor de Serviços

No Setor de Serviços, o Amazonas registrou, em 2018, um valor de R$ 49,912 bilhões – um crescimento de 6,6% comparado à 2017 onde o montante foi de R$ 46,838 bilhões.

Manaus, com R$ 36,595 bilhões em 2018, deteve 73,3% da participação do setor em relação ao Estado, registrando assim, um aumento de 6,2% impulsionado, principalmente, pelo comércio varejista que cresceu 11,5% no período avaliado.

Itacoatiara cresceu 3,2% ao saltar de R$ 1,153 bilhão em 2017 para R$ 1,190 bilhão em 2018. O aumento também foi influenciado pelo comércio varejista que teve variação positiva de 22%. Já Coari que saiu da quarta posição em 2017 para a terceira em 2018, teve aumento de 17%, contabilizando R$ 842,536 milhões no setor. O crescimento de Coari foi ocasionado, principalmente, pelo comércio atacadista que cresceu 1.093%.

Setor Agropecuário

O Setor Agropecuário do Estado do Amazonas fechou o ano de 2018 com R$ 5,515 bilhões. Manacapuru registrou R$ 577,015 milhões – uma queda de 21,6% em comparação a 2017 que foi de R$ 735,631 milhões. A participação do município foi de 10,5% do total do setor e, por três anos consecutivos, se mantém na primeira posição do ranking, tendo como produto principal a mandioca que registrou queda de 8,4% na produção em comparação entre os anos de 2017 e 2018.

Itacoatiara ocupou o segundo lugar no ranking do setor primário com R$ 463,450 milhões e participação de 8,4%. A cidade apresentou queda de 1,1% em relação a 2017, onde seu principal produto, o abacaxi, teve um decréscimo de 14,3% na produção.

O município de Codajás, com crescimento de 7,4% e um total de R$ 325,036 milhões, ocupou a terceira posição no setor agropecuário do Amazonas, com participação de 5,9%. O crescimento do setor em Codajás foi impulsionado pela produção de açaí, principal produto que teve índice de 12,6% de crescimento. Já a capital, Manaus teve o sexto maior valor da agropecuária, registrando o total de R$ 209,000 milhões em 2018.

Setor Imposto

O Setor de Imposto, líquido de subsídios, representou 15,7% no PIB do Amazonas em 2018, onde o montante foi de R$ 15,748 bilhões contra R$ 14,743 bilhões de 2017. Manaus foi o município com a maior parcela: R$ 14,962 bilhões e 95% de participação do setor no Estado. Já Itacoatiara registrou R$ 107,905 milhões, sendo o segundo maior valor do setor. Coari ficou na terceira posição entre os municípios com valor de R$ 77,102 milhões.

PIB

O PIB é um indicador econômico que apresenta a soma de todos os bens e serviços produzidos em uma área geográfica em um determinado período (podendo ser um ano ou um trimestre). A Sedecti, em parceria com o IBGE, é responsável pelo cálculo dos resultados referente aos valores produzidos pela agropecuária, indústria e serviço, além de impostos líquidos de subsídios dos municípios do Estado do Amazonas.