Em Manaus quatro pessoas que trabalham na campanha de um candidato a prefeito, foram presos pela Polícia Federal por suspeita de comprar votos. Foram presos em uma sala do terceiro andar do edifício Atrium os marqueteiros Rodolfo Vieira de Mela da Costa Pinto, Paulo Victor Ramos de Carvalho; a empresária Márcia da Cruz Gordinho e a professora Maria dos Prazeres Maia dos Santos. Com o grupo foi apreendido envelopes contendo, em cada um, R$ 80 em espécie.

Ao chegarem ao local através de denúncias, a PF abordou pessoas que saiam de uma das salas com envelopes contendo o dinheiro. Conforme a PF, essas pessoas indicaram a sala de onde pegaram o dinheiro, e, lá, quatro pessoas foram presas. Para a polícia os presos alegaram que estavam fazendo pesquisa eleitoral e distribuíram o dinheiro aos participantes como forma de “agradecimento”, além de dar lanches.

Os quatros foram presos por crime eleitoral, compra de votos e corrupção eleitoral. Eles foram liberados após pagar fiança, e devem responder em liberdade. A Polícia Federal investiga a participação de Ricardo Nicolau (PSD) nesses crimes, já que, ainda segundo a PF, os suspeitos presos têm ligação com o candidato à Prefeitura de Manaus.

Em nota, a Coligação ‘Pra Voltar a Acreditar’, de Nicolau, por meio da sua assessoria jurídica, declarou que “repudia a criminalização do trabalho de um instituto de pesquisa”. A coligação afirma que, como é prática mundial, nas pesquisas qualitativas não há indução e muito menos pedido de votos. “A coligação ‘Pra Voltar a Acreditar’ rechaça e repudia a confusão de que foi vítima e informa que está atuando junto à Justiça Eleitoral e à Polícia Federal a fim de restabelecer a verdade e evitar que essa ação anônima siga tentando macular a credibilidade e idoneidade de nossa campanha”, diz a nota.