O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu à Justiça endurecimento das medidas cautelares impostas à deputada federal Flordelis. A parlamentar é acusada de ser a mandante da morte do marido, Anderson do Carmo.

Na petição, o promotor Carlos Gustavo Coelho de Andrade solicita o uso de tornozeleira eletrônica, o recolhimento domiciliar noturno e a suspensão do exercício da função pública da parlamentar. Na semana passada, a Câmara dos Deputados notificou Flordelis sobre o processo que pode culminar na cassação de seu mandato.

O MP alega que, desde a operação do dia 24 de agosto que prendeu filhos da deputada, o paradeiro de Flordelis foi difícil de ser determinado, o que justifica a necessidade dos passos dela serem monitorados. Ainda de acordo com o documento, a localização da deputada não foi identificada na mesma semana em que uma bomba caseira foi jogada na casa de uma testemunha do caso. O ataque, que aconteceu na madrugada de 4 de setembro, é investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí.