O pastor responsável pela Igreja Tabernáculo Evangélico de Jesus, em Nilópolis (RJ), apresentou ao Ministério Público Federal (MPF) retratação com pedido de desculpas por faixas com frases de intolerância religiosa fixadas na frente do imóvel onde funciona o templo.

No fim de julho, o MPF expediu ofício ao responsável pelo imóvel pedindo esclarecimentos. As informações sobre o possível ato de intolerância religiosa chegaram ao órgão ministerial por meio de representação e passaram a integrar o inquérito civil público, em tramitação, que apura o aumento de casos de intolerância religiosa na Baixada Fluminense.

No ofício, o procurador da República Julio José Araujo Junior solicitou explicações sobre possível ato de intolerância religiosa exposto nas faixas. Em uma delas, o pastor se refere às religiões de matriz africana de modo pejorativo, atrelando a elas práticas contra o bem-estar de não praticantes.

 

Íntegra da retratação apresentada

Eu, Pastor JOSÉ CARLOS DA SILVA, responsável pela IGREJA TABERNÁCULO EVANGÉLICO DE
JESUS (Igreja Casa da Bênção), situada na RUA VEREADOR JOSÉ FORTES N. 341,Centro,
NILÓPOLIS, RJ, venho à presença dos POVOS E COMUNIDADES DE MATRIZ AFRICANA
apresentar respeitosamente meu PEDIDO RETRATAÇÃO PÚBLICA.

No dia 22/07/2020 realizei a fixação de faixas na parte externa da igreja onde sou pastor, para
informar sobre a realização de uma campanha espiritual de oração.
No dia seguinte fui procurado por uma senhora, vizinha da igreja, dizendo que tinha se sentido
ofendida pelos dizeres de uma das faixas, e no mesmo dia, procedi a retirada da faixa
apontada.

Informo ao digno Povo e Comunidade de Matriz Africana que sou pastor ordenado desde julho
de 1999 e durante estes anos tenho procurado realizar um serviço de auxilio espiritual e social
em todas as cidades e comunidades por onde tive o privilégio de passar, sem nunca ter tido
nenhuma situação de provocação ou ofensa como autor ou como vítima.

Lamento que este fato irrefletido tenha ofendido uma vizinha da igreja, integrante da minha
comunidade, e também aos Povos e Comunidades de Matriz Africana, pelo que apresento o
meu pedido de desculpas através desta retratação.

Entendo que os tempos atuais exigem posturas diferentes e atentas, visto que o risco da
intolerância religiosa é que hoje posso ser o autor, mas amanhã posso ser a vítima.
Neste sentido me comprometo com os POVOS E COMUNIDADES DE MATRIZ AFRICANA, bem
como com os MEMBROS DE OUTRAS COMUNIDADES RELIGIOSAS a pautar as minhas ações na
pacífica convivência com todos, a exemplo do que diz a Bíblia Sagrada no livro de Hebreus,
capítulo 12, verso 14, o qual peço licença para transcrever “Segui a paz com todos, e a
santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”.

Isto posto, solicito respeitosamente que minhas desculpas sejam aceitas.
JOSÉ CARLOS DA SILVA