“Os piores dias da minha vida”. Foi assim que Maria Dias, a mãe de Erlon Gabriel, definiu os últimos 8 meses, desde que o filho desapareceu de dentro de casa no dia 6 de fevereiro. Hoje, Dia das Crianças, quando pais e mães dão os brinquedos e curtem o feriado com seus filhotes, ela chora e pede a Deus que mostre onde o pequeno está e acabe com esse sofrimento.

“Não é fácil. É um sorriso falso que a gente tem de colar no rosto. A dor continua aqui. A saudade, como nesse Dia das Crianças, sem saber onde, como e com quem ele está.”, contou, com a voz embargada. Não há pistas apenas uma procura sem fim, todos os dias. Maria é mãe de uma menina de 12 anos, e segue trabalhando para sustentar a casa sozinha, em plena pandemia. “O vazio, a dor da saudade continua aqui. Mas apesar de tudo tenho de trabalhar. Eu tenho uma filha que depende de mim, tenho minhas contas, não tenho família. Sou sozinha. Sou eu e eu mesmo. Como diz um louvor, é ‘Eu e Deus'”.

O DESAPARECIMENTO

Erlon desapareceu no dia 6 de fevereiro, no bairro União da Vitória, enquanto brincava na porta de casa e a mãe fazia o almoço. Desde lá muitas informações, até mesmo sobre um carro que passou e levou o menino, mas nenhuma confirmada. “Desta forma segue minha vida e de muitas mães que estão por aí com seus filhos desaparecidos e seguem com essa mesma dor, vazio e angústia.”

“Não é fácil mas Deus está no controle de todas as coisas e eu creio que uma hora, um momento, um dia, um ano, eu não sei, Deus vai mostrar onde esteja meu filho.”

Se você tem informação ligue para o contato da foto, ou para a polícia. Vamos ajudar!!