A Defensoria Pública disse que vai investigar denúncias de que pacientes graves de covid-19 estão sendo amarrados nas próprias macas no Hospital Regional Dr. Jofre Matos Cohen, em Parintins, no interior do Amazonas.

Conforme as denúncias que chegaram até o órgão, os pacientes teriam passado o fim de semana amarrados nas próprias macas, com gazes nos punhos e presas às camas.

Apesar das imagens enviadas juntamente com a denúncia mostrarem vários pacientes amarrados, a prefeitura de Parintins disse à reportagem que se trata de um caso isolado, gerado por conta de um “surto psicótico” de um dos doentes. “A contenção foi feita, portanto, para deixar o paciente em segurança”, ainda de acordo com a administração municipal.

Um denunciante afirmou que “acabou o sedativo usado na intubação. Os pacientes estavam inconscientes, intubados e em estado grave”.

“Com toda certeza, a Defensoria vai oficiar a Prefeitura de Parintins, mas também a direção do hospital, para pedir esclarecimentos sobre o fato que as imagens retratam. E aí, a depender dessa resposta, a gente vai sim analisar e considerar sim a propositura de ação judicial”, informou o defensor público Rafael Barbosa.

A Secretaria de Saúde de Parintins, negou que sedativos estejam em falta. Em contrapartida, a Secretaria Estadual de Saúde (SES-AM) afirmou ter recebido no sábado (20) um pedido por sedativos de Parintins, que, segundo o órgão, foi cumprido no mesmo dia.

A Defensoria Pública confirmou que vai notificar a prefeitura de Parintins e a direção do Hospital Jofre Cohen “para pedir esclarecimentos”.

“A depender dessa resposta, a gente vai, sim, analisar e considerar a propositura de ação judicial”, informou o defensor público Rafael Barbosa.

Parintins é hoje o terceiro município amazonense mais atingido pela covid-19, com 8.269 casos confirmados desde o início da pandemia, segundo últimos dados divulgados pela Fundação de Vigilância em Saúde do estado (FVS-AM). Apenas a capital Manaus (142.386) e Coari (8.955) estão à frente. Em número de mortes, Parintins também é o terceiro (260), atrás de Manaus (7.452) e Manacapuru (269).