Desde a morte de dois polícias em rios amazônicos, a morte e terror em que vivem ribeirinhos de locais longínquos da capital vem ganhado destaque. Mais uma vez na tarde de ontem (19), sangue inocentes teriam sido derramados por criminosos, que diferentes dos bandidos da cidade grande, se autodenominam ‘Pirata’.

A Polícia Civil está investigando a suposta morte de sete ribeirinhos na comunidade Cuiú-Cuiú durante um ataque a uma embarcação no rio Japurá, município de Maraã. “Nenhum B.O foi registrado, nem foi um crime oficialmente confirmado pela equipe de investigação”, explica o delegado Gláucio Oliveira.

A situação tem deixado o delegado em alerta, pois apesar de os ataques ser comuns, ultimamente eles tem sido frequente e extremamente violentos. Conforme a autoridade policial se nada for feito pela comunidade o lugar vai se transformar em estado paralelo de terrorismo.

O que dificulta ainda mais as coisas é que as vítimas que sobrevivem têm medo de denunciar. E isso dá ainda mais forças para os piratas, que passaram a atacar a qualquer hora do dia, sejam pescadores que tiram seu sustento dos rios, ou recreio, levando tudo, desde gasolina das embarcações a objetos pessoais.

Além das sete pessoas mortas, a polícia recebeu na semana passada a denúncia de outras duas pessoas mortas na comunidade do Matamatá, no entanto parentes das vítimas não comparecem à delegacia para formalizar o crime.