Pesquisadores brasileiros apresentaram hoje (13) um novo fóssil de lagostim encontrado na Ilha James Ross, na Península Antártica. A pesquisa foi publicada nesta quinta-feira na revista Polar Research. Os pesquisadores são do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens da Universidade Regional do Cariri (Urca), do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), da Universidade do Contestado, em Santa Catarina, e da Universidade Federal do Espírito Santo.

Pesquisadores do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/URCA, do Museu Nacional/UFRJ, da Universidade do Contestado e da Universidade Federal do Espírito Santo apresentaram hoje, dia 13 de agosto, um novo fóssil de lagostim encontrado na Ilha de James Ross, na Península Antártica

Trata-se de dois espécimes que foram classificados no gênero Hoploparia em uma nova espécie, H. echinata. “Apesar de não ter representantes atuais, os fósseis desse gênero de lagostim foram encontrados em camadas de diferentes partes do mundo, em um total de 67 espécies. Entretanto, no continente antártico, eram conhecidas, até o momento, apenas três espécies, sendo esta uma nova, procedente da Ilha James Ross”, disse o diretor do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/Urca, Allysson Pinheiro. As informações são da Agência Brasil.

Pesquisadores do Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens/URCA, do Museu Nacional/UFRJ, da Universidade do Contestado e da Universidade Federal do Espírito Santo apresentaram hoje, dia 13 de agosto, um novo fóssil de lagostim encontrado na Ilha de James Ross, na Península Antártica

O material foi coletado em 2016, durante em expedição realizada pelo projeto Paleoantar, dedicado a coletar e estudar rochas e fósseis da Antártica. As rochas onde foram encontrados os fósseis sugerem que o animal vivia em ambientes marinhos rasos, com fundo arenoso. Estima-se que tenha vivido no Período Cretáceo, durante o Campaniano, há cerca de 75 milhões de anos.