A notícia que uma sargento da Polícia Militar foi morta dentro de uma delegacia chocou Manaus. E agora novas revelações vêm sendo feita. O homicídio aconteceu dentro da base da 10ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), no bairro Alvorada, na Zona Centro-Oeste de Manaus.

Em maio deste ano, a sargento Alcileide Conceição Costa de Freitas, que tinha 44 anos, morta a tiros pelo companheiro de farda, o também sargento, Mário Sérgio da Silva Muca, 42, registrou um Boletim de Ocorrência para denunciar as ameaças que vinha sofrendo.

“Abre teu olho, tu é o pior verme que existe e tu sabe o que acontece com os vermes”, diz um trecho do Boletim de Ocorrência (BO) formalizado no dia 15 de maio deste ano. Vinte e cinco dias antes dele assassinar ela a tiros dentro da delegacia.

A pergunta que fica é: Porque uma providência não foi tomada, por qual motivo a mulher, oprimida e ameaçada em seu lugar de trabalho não foi ouvida? Um policial militar pode ter esse tipo de conduta? Ameaçar a vida das pessoas? O lema não é servir e proteger?

Entramos em contato com a SSP e a corregedoria da PM para entender estes motivos, mas não obtivemos respostas.