A Corregedoria-Geral do Sistema de Segurança Pública determinou a abertura de um Inquérito Policial e um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar as denúncias de que um policial militar teria atirado contra o apartamento de um vizinho em um condomínio na zona oeste de Manaus. O corregedor-geral, delegado George Gomes, garantiu que a apuração terá o rigor necessário para o esclarecimento dos fatos, dentro do devido processo legal.

De acordo com a vítima, o escrevente Eduardo Michiles, de 36 anos, os tiros aconteceram após ele reclamar da utilização da área de lazer do prédio foram do horário permitido. Em seguida, aparentemente descontrolado, como mostra vídeos gravados, o policial gritou e fez ameaças. Junto com as ameaças, foram efetuados 10 disparos de arma de fogo contra o apartamento da vítima.

As balas atingiram o quarto do filho de anos de Michiles, que por sorte dormia no quarto dos pais no momento do ocorrido. “Sofremos uma atentado de um descontrolado, de um criminoso que se diz policial e que não deveria vestir a farda da instituição. Estamos desesperados, fugindo porque não podemos entrar em casa. Estamos em choque”, disse.

Na manhã desta segunda-feira (14/09), o policial militar foi ouvido na sede da Corregedoria e se reservou ao direito de permanecer em silêncio. Também já foram ouvidas a vítima e testemunhas, e perícias foram requisitadas para a arma supostamente utilizada no delito e no local do fato.

A Polícia Militar do Amazonas informou que, ao tomar conhecimento das acusações, instaurou um Procedimento Administrativo pela Diretoria de Justiça e Disciplina (DJD), da corporação. Serão apuradas as circunstâncias do ocorrido, possibilitando às partes envolvidas a apresentação da sua versão dos fatos, respeitados os princípios da ampla defesa e contraditório.

Em nota, a Polícia Militar do Amazonas ressaltou que não compactua com atos que contrariem a lei e a ordem e reiterou seu compromisso com o dever de servir, proteger e preservar os direitos individuais e coletivos.