O nigeriano Armando* (nome fictício), de 42 anos, deu entrada no sistema prisional do Amazonas no final do mês de julho, após ser preso por tráfico de drogas.

Ele teve a chance de falar com os parentes na Nigéria direto do Centro de Detenção Provisório Masculino 2 (CDPM 2), graças ao sistema de “Televisita”, criado e implantado pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) no início da pandemia do novo coronavírus.

Enquanto Armando aguarda julgamento, as chamadas virtuais continuam sendo realizadas em todas as unidades prisionais do Amazonas.