O Instituto Estadual de Defesa do Consumidor (Procon-AM) notificou, na manhã desta sexta-feira, 28/08, duas fábricas de materiais de construção e pediu esclarecimentos sobre os preços praticados na venda do cimento desde março deste ano. As fábricas têm cinco dias úteis para apresentar as notas fiscais ao órgão.

 

O diretor-presidente do Procon-AM, Jalil Fraxe, explica que os canais de denúncia do órgão tiveram diversos registros, nos últimos dois dias, sobre o aumento do preço do cimento.

 

“Isso é um efeito em cadeia com os materiais de construção. O cimento é um item fundamental para a construção civil, e, se for identificada qualquer infração por parte do fornecedor, do fabricante ou dos lojistas, nós iremos aplicar as devidas punições. Não é um alarde, é uma fiscalização, um trabalho sério que é desenvolvido no órgão e garantimos que vamos atuar dentro do que estiver na nossa competência legislativa. No caso do cimento, iniciamos a fiscalização pelas fábricas, pois entendemos que o fabricante e o importador terão essas notas para mostrar a origem do aumento. Se for identificado que são as lojas que estão aumentando o preço do cimento, iremos prosseguir a fiscalização indo em cada loja de material de construção”, afirma o diretor-presidente do Procon-AM.

 

O produto foi alvo de outra ação recente do Procon-AM, que resultou na notificação de mais de 30 estabelecimentos – na ocasião, o órgão também observou a alta dos valores do item. As respostas entregues pelos fabricantes e lojas estão em análise.