“Ela se queixava que ele já maltratava ela. Ela disse para nossas irmãs que ele batia nela. Quem ama não mata. Tinha facada até nas partes íntimas dela”, essa é a resposta de Joelton Souza diante as justificava dos familiares de que Augustinho, só matou a esposa por amá-la demais.

Ciúmes, possessividade e amor doentio foi o que levou Augustinho Rodrigues Saraiva Filho, 33, a matar com mais de 30 golpes de faca a própria companheira dele, a merendeira Jacira de Souza Lima, que tinha 32 anos. Após quase 48h foragido ele foi preso pelo feminicídio.

A filha do casal de oito anos presenciou o crime. “Tia ele cortou o braço da mamãe, cortou o pescoço dela e depois me deu um abraço”, contou a filha do casal a tia dela Maria José. De acordo com a irmã da vítima, a menina foi encontrada suja de sangue após ser abraçada pelo pai. Por esse motivo a criança acha que o pai também está morto.

De acordo com toda a família de Jacira, Augustinho sempre foi ciumento, não aceitava que a mulher se arrumasse e se mostrava incomodado sempre que ela aparentava estar se divertindo. A família disse ainda que sempre pediu para ela se separar, pois temiam esse fim. No entanto Jacira usava a justificativa de que ele amava demais os filhos para ser capaz de fazer algo grave com ela.

 

Fugiu para se esconder em Manaus

Foto: Divulgação

Conforme a delegada Marília Campello, adjunta da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), a prisão ocorreu na tarde desta quarta-feira (02/09), por volta das 14h, na avenida Autaz Mirim, bairro Jorge Teixeira, zona leste de Manaus. O crime aconteceu na madrugada de segunda-feira (31/08), por volta da meia-noite, na comunidade Divino Espírito Santo, zona rural do município de Careiro Castanho (distante 102 quilômetros em linha reta da capital).

Segundo a delegada, na ocasião do crime, Augustinho desferiu mais de 30 golpes de faca na esposa que não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local. Após o delito, o homem fugiu para a capital e as equipes da especializada iniciaram as diligências para localizar e prender o infrator.

“Na tarde de hoje, após a expedição da ordem judicial em nome dele, seguimos os trabalhos e conseguimos efetuar a prisão dele na avenida Autaz Mirim, bairro Jorge Teixeira. Ele não reagiu à prisão e informou, em depoimento, que desferiu mais de 15 golpes de faca contra a mulher durante um desentendimento entre eles”, explicou a delegada.

O mandado de prisão em nome do infrator foi solicitado pelo delegado Rudival Magno, titular da 34ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Careiro Castanho, e a ordem judicial foi expedida nesta quarta-feira (02/09), pelo juiz de Direito Roberto Santos Taketomi, da Vara Única da Comarca de Careiro Castanho.

Augustinho será indiciado por feminicídio. Ao término dos procedimentos na DEHS, ele será encaminhado para a Central de Recebimento e Triagem (CRT), onde passará por audiência de custódia.

 

 

Último pedido antes de morrer

Foto: Divulgação

De acordo com a irmã da vítima, Maria José, uma das sobrinhas chegou na residência dela gritando – tia, tia, o papai furou a mamãe! “Eu corri pra lá. Peguei a minha irmã e ela disse assim – mana eu tô toda furada, ele me matou, acabou comigo. Olha o meu bucho está de fora, mana. Mana cuida dos meus filhos – Ela só fez virar o pescoço e não falou mais nada. Ainda carreguei ela para minha casa, mas já era tarde.”, relatou muito emocionada na porta do IML.

Jacira deixou 4 filhos, após 17 anos de casamento com o assassino, que fugiu do local do crime. Ainda conforme relatos da família, Agostinho estava muito agressivo nos últimos dias, já que Jacira passou a se cuidar mais e por ciúmes teria matado a esposa.

 

Ciúmes, possessividade e amor doentio

Foto: Divulgação

Irmão da vítima, Joelton Souza disse que conversou com o assassino dias antes do crime, pediu que ele pensasse nos quatro filhos e “não fizesse besteira”. Revoltado, ele fez desabafou. “Quero que ele pague. Que seja preso pelo crime covarde que cometeu. Ele não foi macho para dar uma facada nela na minha frente. Ele foi um covarde”.

Jacira foi morta porque o marido estava com ciúmes das fotos dela no Facebook, afirmam os parentes. O casal viveu junto por 17 anos, e mesmo assim Agostinho não teve remorso de dar 30 facadas na esposa.

 

Foto destaque: Kamila Linhares/TV Maskate