A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), realocou mais de 50 pessoas em vulnerabilidade social acolhidas no Ceti Áurea Pinheiro Braga, na avenida Brasil, s/nº – Compensa 3, zona Oeste.

A unidade foi implantada emergencialmente durante a pandemia do novo coronavírus, pelo governo estadual, no intuito de atender à população de rua. O espaço também contou com o apoio da prefeitura e Organizações da Sociedade Civil (OSC).

Após o anúncio da retomada gradativa das atividades pelo governo do Estado, a Prefeitura de Manaus desenhou um plano de trabalho para acolhimento desse público, para que não voltem às ruas sem um plano de desmobilização gradual.

Desse total de acolhidos, 50 foram realocados para o acolhimento temporário implantado na escola municipal Professor Waldir Garcia, no bairro São Geraldo, zona Centro-Sul e sete para o Serviço de Acolhimento Institucional (SAI) Amine Daou Lindoso, na zona Sul.

Rael Aguila, de 46 anos, vive nas ruas há 3 anos e já foi acompanhado pelo Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro POP) e encaminhado para o Centro de Atenção Psicossocial- Álcool e Drogas (Caps-AD).

Ele se encontrava há dois meses no antigo acolhimento do Ceti Áurea Pinheiro Braga e agradeceu a assistência da Prefeitura de Manaus. “A vida de morador de rua não é fácil, pois ficamos submetidos a muita coisa na madrugada”, afirmou o acolhido.