Entre janeiro e 25 de agosto deste ano, o município de Manaus registrou 49 casos novos de hanseníase e a Prefeitura de Manaus iniciou reforço no trabalho de busca ativa para resgatar os casos de abandono e atraso no tratamento da doença, e para realizar o exame de pele nos contatos intradomiciliares e sociais do paciente.

Segundo a chefe do Núcleo de Controle da Hanseníase da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), enfermeira Ingrid Santos, muitas pessoas deixaram de procurar os serviços de saúde pelo risco de transmissão do novo coronavírus.

A hanseníase tem cura e o tratamento medicamentoso dura de seis meses até um ano. Mas, o desafio nos serviços de saúde é pelo diagnóstico precoce da doença para evitar sequelas graves.