Não temos trégua na batalha em defesa do modelo de desenvolvimento regional Zona Franca de Manaus (ZFM). Plantam “jabutis” como se fossem árvores em medidas provisórias e demais expedientes legislativos no intuito de ferir de morte o modelo para alcançar seu intento de eliminá-lo. Também no Poder Executivo, vez por outra, somos surpreendidos por medidas que nos prejudicam ou por declarações que atingem subsetores (1a indústria de extensa cadeia produtiva, cujos reflexos negativos podem inviabilizar empreendimentos regionais que geram emprego e renda, principalmente no interior do Estado. Atacam-nos, mas não conseguirão nos esmorecer, pois se o brasileiro nunca desiste, o amazônida é ainda mais teimoso e obstinado. Seguiremos em frente, resistindo e lutando pela nossa condição econômica e desenvolvimento social. Parece-nos que por nossa região ter sido integrada tardiamente ao Brasil fez com que muita gente entendesse que a sua incorporação à nação fosse algo desvantajoso e, por isso, sempre querem nos prejudicar e também o nosso principal modelo de desenvolvimento, causando grande insegurança jurídica para a ZFM.

A propósito, como escreveu o poeta e romancista Mário de Andrade, “contei meus anos e descobri que tenho menos tempo para viver a partir daqui, do que o que eu vivi até agora”… “Já não tenho tempo para reuniões intermináveis em que são discutidos estatutos, regras, procedimentos e regulamentos internos, sabendo que nada será alcançado. Não tenho mais tempo para apoiar pessoas absurdas que, apesar da idade cronológica, não cresceram. Meu tempo é muito curto para discutir títulos. Eu quero a essência, minha alma está com pressa…”.

Realmente, temos pressa de abrir caminho legítimo para um futuro de prosperidade e, para isso, contamos com uma bancada federal de parlamentares aguerridos, contamos com defensores e entidades de classe que enfrentam a luta de frente e sem temor, contamos com a participação favorável dos governantes das três esferas do Poder.

O veto presidencial ao artigo 8″ da Medida Provisória 1034/2021, cumprindo o prometido pelo líder do governo federal no Senado, evita um desgaste desnecessário e um prejuízo que afetaria os custos de produção de todo o polo industrial. Esse veto evita um precedente de desastrosa consequência aos demais segmentos econômicos. Agradecemos a todos que se uniram em defesa da ZFM, principalmente a nossa bancada federal na Câmara e no Senado. Continuaremos atentos a todas as ameaças que possam atrapalhar o nosso progresso e trabalho rumo ao desenvolvimento socioeconômico da Amazônia Ocidental.

Nesta oportunidade parabenizo nossa coirmã, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Amazonas (Fecomércio), pela segunda edição do prêmio Troféu Mérito Empreendedor do Comércio, que homenageou as empresas que se destacaram no ano.

Por: Antonio Silva/Presidente da FIEAM