Em Novo Airão, município a 195 quilômetros de distância de Manaus, a culinária faz parte da vida de Maria José Vieira de Almeida desde sua infância. Os pais vendiam comida na calçada de casa e hoje, aos 36 anos, a empreendedora possui um restaurante no centro da cidade e investe em novos conhecimentos em gastronomia, com a ajuda dos cursos na área de alimentos e bebidas do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

A microempreendedora já possui certificação nos cursos de Padeiro de Pães Caseiros, Preparador de Café Regional, Pizzaiolo e Confeiteiro de Tortas Finas, e participa da turma do SENAI, em andamento, do curso de Confeiteiro de Doces e Salgados, que atualmente aguarda liberação da Secretaria Municipal de Saúde de Novo Airão para retorno das atividades, após suspensão das aulas devido à pandemia. O curso de aperfeiçoamento (40h) começou em março com 30 alunos divididos em duas turmas.

“Meus pais tinham restaurantes e eu nasci e me criei dentro da cozinha. Iniciei a vida nesse meio e sempre ajudei com o que podia desde o atendimento ao cliente até na parte da cozinha. Percebi que me adaptei a essa rotina e naturalmente quis seguir”, disse, ao contar que, mesmo com afinidade na culinária, passou 11 anos afastada trabalhando como cobradora de ônibus e, hoje, após o falecimento dos pais, investiu no sonho do próprio negócio que já completa um ano e meio de criação. “Mudei o rumo da minha vida e resolvi abandonar tudo para dar andamento e continuidade ao que eles sempre sonharam para mim”.

Atualmente o restaurante, B&M Refeições, tem capacidade de atendimento para 36 pessoas e oferece comidas caseiras de domingo a domingo para o almoço, mas, segundo Maria José, a ideia é ampliar o leque de produtos e oferecer também lanches, com doces e salgados. “A partir de setembro vou começar com a parte lanche. Estou reformando o pátio que tenho na frente do terreno, para oferecer um ambiente climatizado”, relatou ela, ao contar que tem aprendido no SENAI a valorizar e precificar melhor os serviços e com isso colheu lucro para realizar a ampliação.

“Antes, eu confesso que era tudo de qualquer forma, não tinha noção de precificação, não organizava as finanças, não media quantidade de produto, peso, ingredientes, nada. Se eu vendesse uma carne no valor de um peixe, por exemplo, para mim estava tudo bem, pois o que me importava era vender, mas hoje com o SENAI eu aprendi a precificar e valorizar meu serviço, porque cada um tem um preço diferenciado de aquisição e tenho que estipular o valor de venda, levando em conta tudo isso”, argumentou.

A produção de bolos, tortas e salgados é a especialidade da aluna Ivone Marinho, 30, também ingressa na turma do SENAI de Confeiteiro de Doces e Salgados, em Novo Airão. Trabalhando diariamente com a produção e venda nas ruas há mais de um ano, Marinho já atuava antes, por conta própria, na cozinha, com produção de mingau e hoje trabalha junto com outra ex-aluna do mesmo curso, de Confeitaria do SENAI, Andréia Couto.

“Comecei a trabalhar na área e senti a necessidade de me qualificar, procurei o curso do SENAI e acabei aprendendo também a fazer salgado e o processo de medição dos ingredientes para as receitas. Hoje sou responsável pela produção dos salgados na empresa e ainda auxilio na confecção de bolos, recheios e coberturas”, disse ela, ao acrescentar que, após o preparo dos produtos, eles são cortados em fatias e vendidos diariamente nas ruas. “Já temos os nossos clientes fixos e nos tornamos conhecidas na cidade pelos doces e salgados”.

As aulas do SENAI no município ocorrem em parceria com a Associação de Artesãos de Novo Airão. Com a prática feita presencialmente, as turmas contam também com atividades on-line diariamente pelo aplicativo do Mundo SENAI. Por meio da sala de aula virtual, os alunos conseguem tirar dúvidas com o professor e realizar atividades que servem como material de apoio às aulas práticas. “Dentro do curso eu ensino desde como começar o seu negócio, falando de finanças, precificação e empreendedorismo, além de orientações para preparo de produtos e noções de higiene e segurança do trabalho”, explicou o instrutor da Escola SENAI de Ações Móveis e Comunitárias, Raimundo Sales.