Governo do Amazonas tem oferecido serviço de fisioterapia terapêutica em unidades de saúde em toda a rede como parte do tratamento contra a covid-19. Desde janeiro, 155 novos profissionais foram admitidos, temporariamente, e 39 tiveram o contrato de trabalho dobrado, somando 194 fisioterapeutas contratados pela Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM).

De acordo com o chefe do Departamento de Recursos Humanos da SES-AM, Mário Ernani Mendonça, a ampliação no número de profissionais de fisioterapia em toda a rede, especialmente nos pronto-socorros e Serviços de Pronto Atendimento (SPAs), tem o objetivo de dar uma melhor resposta ao paciente no estágio inicial da doença e, consequentemente, diminuir a possibilidade de um agravamento.

Um dos prontos-socorros que vêm ampliando, gradualmente, a oferta de fisioterapia terapêutica é o Hospital e Pronto-Socorro (HPS) João Lúcio Pereira Machado. No ano passado, a unidade executou 52.183 procedimentos de fisioterapia terapêutica, um percentual 50% maior quando comparado aos anos anteriores.

O serviço de fisioterapia está inserido no processo de reabilitação funcional dos pacientes desde o início da internação. A assistência é realizada na sala rosa, destinada a pacientes suspeitos ou confirmados com Covid-19, nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) 1 e 2 e semi-intensiva. Nesses setores, nas enfermarias e nos outros três andares da unidade hospitalar – como clínica cirúrgica e pós-operatório de cirurgias ortopédicas e neurológicas –, o paciente é assistido com suporte multiprofissional.

O Hospital João Lúcio conta com 25 fisioterapeutas, dos quais 14 são concursados e 11 são profissionais contratados, em janeiro deste ano, para ampliar o atendimento aos pacientes acometidos pelo novo coronavírus.

O serviço de fisioterapia, em 2020, concentrou-se nas UTIs, totalizando 28.510 procedimentos, o que equivale a 54,63% do total ofertado na unidade. Seguido da unidade semi-intensiva, que contabilizou 7.258 dos serviços de fisioterapia.

A fisioterapia respiratória tem um papel fundamental para evitar intubações na porta de entrada e também auxilia na recuperação do condicionamento cardiopulmonar dos pacientes pós-Covid-19, com alta da UTI.

“Fazemos o trabalho de fisioterapia respiratória desde a avaliação e eleição do paciente para fazer uso da Ventilação Não Invasiva (VNI), com o propósito de evitar intubações. Na sala rosa garantimos assistência 24 horas de fisioterapia para os pacientes que internam com comprometimento pulmonar em decorrência da Covid-19”, destacou o coordenador do Serviço de Fisioterapia do HPS, Sérgio Cruz

O cuidado fisioterapêutico precoce tem o objetivo de tratar os sintomas respiratórios no início do quadro viral e reduzir as chances de intubações, de internação prolongada e invasiva e eventual óbito dos pacientes.