A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) reduziu o tempo de espera de transferência de pacientes com o novo coronavírus (Covid-19) para leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em 80% e para leitos clínicos em 91%, nos últimos dez dias.

Conforme a Central Única de Regulação e Agendamento de Consultas e Exames (Cura), a espera era de cinco dias (120 horas) para leitos de UTI e três dias (72 horas) para leitos clínicos. Atualmente a espera é de 24 horas para leitos de UTI e 6 horas para leitos clínicos.

Esse tempo para transferência pode ser maior em casos em que o quadro clínico do paciente, avaliado por equipe médica, não permita o transporte com segurança.

No final de janeiro, o número de pacientes com Covid-19 aguardando remoção de um leito de menor complexidade para um leito de maior complexidade era de 612. Nessa sexta-feira (05), o número de chamados em espera de pacientes com a Covid-19 chegou a 37.

Os novos chamados diários abertos para transferências também tiveram redução de 86,2%, saindo do pico de 196 em janeiro para 27 nessa sexta-feira (05).

Enquanto aguardam as transferências, os pacientes são assistidos recebendo suporte clínico em unidades de Serviço de Pronto Atendimento (SPAs), Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), salas de estabilização de prontos-socorros da capital e de hospitais do interior.

Neste sábado (06), de 12 chamados abertos para leitos de UTI do interior, cinco não tinham condições de remoção. Pela manhã a aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) com capacidade para remover oito pacientes moderados do interior também não tinha pacientes com esse perfil para poder decolar.

Aumento de leitos
A SES-AM ampliou o número de leitos nas últimas semanas. Foram mais de 200 leitos exclusivos para a Covid-19 implantados nos hospitais Delphina Aziz, Nilton Lins, no HPS Platão Araújo e na maternidade Ana Braga.