Após estudos da Secretaria de Segurança Pública, o governador do Amazonas, Wilson Lima, formalizou, nesta quarta-feira (05/08), o projeto de criação da Delegacia Especializada no Combate à Corrupção da Polícia Civil. O projeto de lei foi encaminhado para a Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) e a expectativa é que a nova unidade entre em operação em até quatro meses. A nova delegacia faz parte de um pacote de medidas que o governador vem anunciando para a segurança pública esta semana. Na terça-feira (04/08), ele entregou a Base Fluvial Arpão, que vai reforçar o combate ao narcotráfico nos rios. Na próxima semana, lança o projeto Rocam Motos. Em solenidade realizada na sede do Governo do Estado, na Compensa, zona oeste, Wilson Lima assinou a convocação de mais de 320 candidatos do concurso da Polícia Militar de 2011, que iniciam em novembro o processo de qualificação.

“Estamos encaminhando para a Assembleia essa mensagem para a criação da Delegacia Anticorrupção, e aqui aproveito para fazer um apelo aos deputados, para que deem a maior celeridade possível, para que tão logo ela seja aprovada na Assembleia e a gente já começa com os trâmites de montagem dessa delegacia. É importante para dar transparência e a lisura necessária aos investimentos do serviço público”, afirmou o governador, ressaltando o alinhamento à proposta do Governo Federal, que promete liberar recursos específicos para o combate a esse crime.

Pelo projeto de lei, a nova Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (DECCOR) atuará em todo o território estadual e terá a missão de investigar crimes desta natureza praticados contra a administração estadual e as administrações municipais.  De acordo com o secretário de Segurança, a proposta é que a unidade se articule com outros órgãos de fiscalização para ações de repressão e também em investigações. “Nós começamos a trabalhar nessa medida, no final do ano passado, e agora, o governador (Wilson Lima) mandando essa mensagem, formaliza esse projeto tão importante para tirar do seio da administração pública os maus servidores e todos aqueles que tentam corromper os agentes públicos”, disse Louismar Bonates.