O governador Wilson Lima finalizou a defesa contra o processo de impeachment que corre contra ele e o vice-governador na Assembleia Legislativa do Amazonas. Nesta quinta-feira ele disse que não cometeu crime e demonstrou confiança com seu futuro político. Wilson é acusado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal de liderar um processo de superfaturamento na compra de respiradores durante a pandemia.  “Estou muito tranquilo com relação a isso. Não cometi nenhum tipo de crime ou atitude que pode me colocar em situação de suspeição”, disse o governador. Na quarta-feira o vice-governador também entregou sua defesa, alegando que também não cometeu crime e não pode ser caçado, já que seria o substituto natural do governador em caso de impeachment. A operação Sangria da Polícia Federal apreendeu os celulares de Wilson e bloqueou as contas do governador. As investigações continuam.

A comissão segue analisando o processo para decidir se arquiva ou leva a plenário para julgamento. A deputada Alessandra Campêlo conduz a comissão na presidência, e já realizou três reuniões para cuidar do processo, que foi pedido pelo Sindicato dos Médicos, alegando má gestão dos recursos públicos durante a pandemia.