Em conversa com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta quinta-feira (16), em Brasília, o governador Wilson Lima ressaltou que é necessária a implementação de um plano com prazo mais curto de distribuição de lotes das vacinas contra a Covid-19 para o Amazonas, devido à logística territorial mais complexa do estado.

O encontro com o ministro foi pouco antes da solenidade de lançamento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19, que ocorreu no Palácio do Planalto, com a presença do presidente Jair Bolsonaro.

“Antes do evento eu tive uma conversa com o ministro da Saúde para que a entrega ao estado do Amazonas seja feita de uma vez só ou, no máximo, em dois lotes, para que a gente possa fazer essa logística da vacinação da primeira e da segunda dose, em duas únicas viagens. Se forem mais quatro lotes, oito lotes, a gente vai perder um tempo muito grande, uma vez que, em algumas comunidades, onde estão grupos prioritários, como indígenas e os profissionais da saúde, a gente chega a levar entre 20 a 30 dias para a equipe chegar lá com a vacina, pois na maioria das localidades o deslocamento será feito de barco”, disse o governador.

Plano de vacinação

O Plano prevê quatro grupos prioritários, que somam 50 milhões de pessoas, o que vai demandar 108,3 milhões de doses de vacina, já incluindo 5% de perdas, uma vez que cada pessoa deve tomar duas doses, com um intervalo de 14 dias entre a primeira e a segunda injeção.

O governador Wilson Lima destacou que o Governo do Estado tem montado o plano e distribuição da vacina, conforme os critérios técnicos estabelecidos pelo Ministério da Saúde, e que o Estado já adquiriu mais de um milhão de unidades de seringas para serem utilizadas no plano de imunização no Amazonas.